Alice Munro

Livros lidos recentemente
Literatura
Livros lidos recentemente
10 de janeiro de 2021 at 18:39 0
  • “O olho”, de Vladimir Nabokov (Alfaguara, 86 páginas, tradução de José Rubens Siqueira, publicado originalmente em 1965): quarto romance de Nabokov, ainda em sua fase russa, o livro discorre sobre Smurov, jovem russo pobre vivendo no exílio em Berlim e que se suicida logo no início da história. Se no início temos o Nabokov brilhante de sempre, o final do romance deixa um pouco a desejar.
  • “Madame Oráculo”, de Margaret Atwood (Círculo do Livro, 325 páginas, tradução de Domingos Demasi, publicado originalmente em 1976): uma escritora de romances açucarados só pode receber uma herança se emagrecer. O terceiro romance da autora de “O conto da aia” começa brilhantemente, mas, assim como o livro citado acima, se perde um pouco no final.
  • “Amiga de juventude”, de Alice Munro (Biblioteca Azul, 259 páginas, tradução de Elton Mesquita, publicado originalmente em 1990): comentei recentemente o seguinte sobre “A fugitiva”, outro livro de contos da escritora Prêmio Nobel de 2013: “já dá para perceber que a canadense, única pessoa a receber o Nobel de Literatura tendo escrito somente contos na carreira, tem um estilo todo próprio: o negócio então, para mim, é continuar lendo suas ótimas histórias, mesmo que o maravilhamento tenha diminuído muito da leitura de ‘Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento’ para cá”. Pois é, o mesmo vale para este “Amiga de juventude”.
  • “Philosophy, Pussycats, & Porn”, de Stoya (Not a Cult, 148 páginas, publicado originalmente em 2018): nesta coletânea de textos já publicados anteriormente em diversas mídias, a famosa atriz pornô Stoya fala sobre relacionamentos sexuais, apresentações ao vivo, questões relacionadas a trabalhadores do sexo, viagens de trabalho e, como diz o título, filosofia e gatos. Ela escreve muito bem, e o livro é de leitura extremamente agradável.
  • “O segundo tempo”, de Michel Laub (Companhia das Letras, 112 páginas, publicado originalmente em 2006): o narrador desta novela não sabe se vai dar ou não uma notícia ruim a seu irmão mais novo durante um Grenal no estádio Beira Rio, em Porto Alegre. O livro é tão bom quanto “A maçã envenenada”, do mesmo autor, sobre o qual eu tinha comentado aqui.
  • “A gafieira de dois tostões”, de Georges Simenon (Companhia das Letras, 150 páginas, tradução de Eduardo Brandão, publicado originalmente em 1931): antes de ser executado, o condenado Jean Lenoir confessa ao comissário Maigret que foi testemunha de um crime seis anos antes. Conforme o comentário do leitor Heitor Vieira de Resende no site da Amazon, “o pior livro de Simenon é ainda muito bom”. E este certamente não é o pior livro de Simenon!
Leia mais +
Os livros que mais gostei de ter lido em 2020
História, Literatura
Os livros que mais gostei de ter lido em 2020
31 de dezembro de 2020 at 15:16 0
  1. “Gengis Khan e a formação do mundo moderno”, de Jack Weatherford: provavelmente você não sabia que o grande imperador mongol (1158 – 1227) tinha uma mentalidade tão à frente do seu tempo.
  2. “Não me abandone jamais”, de Kazuo Ishiguro: poucos livros me perturbaram tanto.
  3. “O império de Hitler”, de Mark Mazower: sempre tive curiosidade de saber como os nazistas se comportavam como colonizadores, coisa que este livro monumental explica.
  4. “A destruição dos judeus europeus”, de Raul Hilberg: outro livro monumental, sobre o Holocausto neste caso.
  5. “O mapa e o território”, de Michel Houellebecq: fico mais feliz lendo uns autores do que outros, e Michel Houellebecq é um dos que me dão mais alegria na leitura.
  6. “Os testamentos”, de Margaret Atwood: continuação de “O conto da Aia”, não preciso explicar mais.
  7. “As luas de Júpiter”, de Alice Munro: tem gente que reclama do Prêmio Nobel de Literatura por causa disso e daquilo, mas eu provavelmente não conheceria autoras como esta canadense se não fosse a Academia Sueca.
  8. “A época da inocência”, de Edith Wharton: um amor mal resolvido e os preconceitos e costumes dos ricos americanos do final do século XIX e início do século XX numa obra-prima.
  9. “O dom”, de Vladimir Nabokov: Nabokov é Nabokov, e pronto.
  10. Deus, essa gostosa, de Rafael Campos Rocha: uma história em quadrinhos que comprova que God is a woman, como diz a Ariana Grande, uma favorita aqui da casa.
Leia mais +
“As luas de Júpiter”, de Alice Munro
Literatura
“As luas de Júpiter”, de Alice Munro
27 de dezembro de 2020 at 22:19 0
“As luas de Júpiter” (Biblioteca Azul, 295 páginas, tradução de Cássio de Arantes Leite, publicado originalmente em 1982), da escritora canadense Alice Munro, Nobel de Literatura de 2013, é composto por onze contos, basicamente sempre contados sob o ponto de vista feminino. As histórias são sempre narradas de modo sutil, seja um possível caso de dois trabalhadores homossexuais numa granja (“A temporada de Peru”), um relacionamentos extraconjugal entre um professor e uma professora (“Acidente”), uma paixão mal resolvida (“Bardon”), uma visita entre irmãos que não se viam há décadas (“Visitas”), uma mulher de meia idade que vai visitar seu pai doente no hospital (“As luas de Júpiter”), duas senhoras que se conhecem desde o jardim de infância e que agora estão juntas numa casa de repouso (“A Sra. Cross e a Sra. Kidd”), uma mulher que tem primas muito diferentes em termos de educação e comportamento de um lado e de outro da família (“Chaddeley e Flaming”), um jantar entre casais de amigos (“Jantar no Labor Day”), ou um caso amoroso cheio de nuanças (“Prue”). Fiquei muito entusiasmado com o primeiro livro que li de Alice Munro, “Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento”, conforme comentei aqui, entusiasmo que não diminuiu em nada depois de ler “A fugitiva” (ver aqui). Já “As luas de Júpiter” me surpreendeu bem menos, por mais que eu tenha amado a leitura do livro. Já dá para perceber que a canadense, única pessoa a receber o Nobel de Literatura tendo escrito somente contos na carreira, tem um estilo todo próprio: o negócio então, para mim, é continuar lendo suas ótimas histórias, mesmo que o maravilhamento tenha diminuído muito da leitura de “Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento” para cá. Fonte da foto: Alice_Munro.jpg (996×1348) (macleans.ca)
Leia mais +
Três livros de contos
Literatura
Três livros de contos
9 de dezembro de 2018 at 12:50 0
Três excelentes livros de contos, muito diferentes uns dos outros. “Noturnos”, do britânico Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de 2017 (Companhia das Letras, 214 páginas) conta sete histórias de músicos: um grande cantor do passado que tenta fazer uma serenata para a mulher em Veneza (“Crooner”), uma história mal resolvida do tempo da juventude que volta à tona (“Chova ou faça sol”), um guitarrista jovem que encontra um casal de músicos de meia idade (“Malvern Hills”), e o melhor conto do livro, o hilário “Noturno”, que conta uma noite maluca num hotel de luxo. O livro, traduzido por Fernanda Abreu, é ótimo – apenas a última história, a implausível “Celistas”, é esquecível. “Feliz ano novo” é um clássico do grande Rubem Fonseca (Companhia das Letras, 184 páginas) e merece sua fama - pela qualidade de suas histórias violentas e inesperadas. Só que, confesso, às vezes eu ficava meio enfastiado em meio a tanto sangue derramado. O melhor fica para o fim: “Fugitiva”, de Alice Munro, Prêmio Nobel de 2013 (Editora Globo, 350 páginas), é tão bom quanto o outro dela que eu tinha lido, “Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento” – sobre o qual comentei aqui que “me trouxe um prazer que eu mesmo não estou acostumado a sentir em minhas leituras”. Não precisa dizer mais nada. (crédito da foto: The New Republic)
Leia mais +
“Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento”, de Alice Munro
Literatura
“Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento”, de Alice Munro
12 de novembro de 2017 at 21:56 0
Não é exatamente uma novidade para quem me conhece que eu gosto de ler. Muito. Prefiro ler do que assistir a séries no Netflix, por exemplo (nada contra séries, muito pelo contrário). Gosto de viagens longas de avião, longas esperas no aeroporto ou em filas de bancos quando posso ler – e eu muito, mas muito raramente mesmo, não carrego um livro comigo. Nem precisa ser um “bom livro” – um razoável já está bom. É difícil eu ler um livro muito ruim, aliás – e, mesmo quando isto acontece, sofro quando desisto de sua leitura no meio do caminho. Toda essa enrolação para dizer que “Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento” (Coleção Folha Grandes Nomes da Literatura, 342 páginas), da canadense Alice Munro, Prêmio Nobel de 2013, me trouxe um prazer que eu mesmo não estou acostumado a sentir em minhas leituras. Acho que o último livro que me trouxe algo semelhante foi “2666”, de Roberto Bolaño, que devo ter lido aí por 2010, e que eu me enrolava para ler com pena de terminá-lo. (mais…)
Leia mais +