Esporte

Esporte
Uma partida inesquecível
10 de novembro de 2019 at 18:28 0

O jogo é na Islândia, no Reykjavík Rapid de 2004. As partidas já começaram, os jogadores já estão cada um de um lado de suas mesas, mas um enxadrista ainda não chegou. Seu adversário está lá, andando de um lado para outro, com a expressão perdida. Ele toma um refrigerante, o que combina com sua própria idade: o jogador que já chegou tem apenas treze anos, mas sua aparência é de ainda menos idade: é um pré-adolescente, quase criança. Mais tarde o garoto diria que não queria ganhar o jogo pela ausência de seu adversário, já que ele queria mesmo jogar aquela partida.

O adversário finalmente chega na sala, esbaforido. Ele se senta de seu lado da mesa, cumprimenta a criança, que está jogando com as brancas e faz o primeiro lance. O adversário – um senhor de quarenta anos, com cabelos muito curtos e já grisalhos – põe as mãos na cabeça, parece preocupado, pensa um pouco e logo faz seu primeiro lance.

O jogo termina empatado: o garoto, que estava melhor na partida mas que teve problemas com o tempo, acabou fazendo um lance ruim no final do jogo, que permitiu que o senhor mais velho acabasse conseguindo um empate.

Os melhores momentos deste jogo são apresentados num vídeo com mais de cinco milhões de visualizações, apresentado no YouTube neste link, e a partida é dissecada com a habitual competência por Rafael Leite no seu Xadrez Brasil, neste link. O garoto do vídeo se chama Magnus Carlsen, o jogador que alcançaria o maior rating ELO[1] da história (2882, em 2014) e é campeão mundial desde 2013. Já o senhor se chama Garry Kasparov, russo campeão mundial[2] entre 1985 e 2000, considerado por muitos o melhor jogador de xadrez de todos os tempos.

Em 2004, quando ocorreu o jogo descrito acima, Kasparov nunca tinha disputado uma partida contra um adversário tão jovem. Suas expressões de espanto, em muitos momentos da partida, são muito engraçadas: o gênio russo não parecia se conformar em estar sofrendo contra um garotinho aparentemente tão inofensivo.

Mas o que é maravilhoso mesmo no vídeo é que ele pode ser considerado o momento simbólico do final de uma era – a do domínio de Kasparov – e o início de outra, a de Magnus Carlsen, atual campeão mundial.


[1] O rating Elo é um método estatístico utilizado para se calcular a força relativa entre jogadores de xadrez, inventado pelo físico americano Arpad Elo.

[2] A história dos campeonatos mundiais de Kasparov é meio complicada, já que ele brigou com a FIDE em 1993.

Leia mais +
Esporte, Exercícios Literários
O surfista Paulinho
29 de setembro de 2019 at 12:38 0
fonte: Revista Trip

Paulinho era um surfista extraordinário. Suas rasgadas, seus floaters, seu flow, sua direita absolutamente fantástica assustavam os adversários. Não era o melhor tube rider que o mundo já tinha visto, mas estava entre os melhores. Já no primeiro campeonato do CT, da WSL, ficou em segundo lugar, perdendo apenas em Pipeline, e na final, para o eterno campeão Kelly Slater. Já no ano seguinte não teve para ninguém, e ele já era matematicamente campeão já na etapa de Peniche, em Portugal. Paulinho, então com apenas 17 anos, seria o novo Kelly Slater? Ultrapassaria a quantidade de onze campeonatos mundiais do maior surfista de todos os tempos? Eram esses os maiores questionamentos da imprensa especializada a respeito de Paulinho, depois de seu primeiro – que seria o último – campeonato mundial pela WSL.

Sim, último. Logo no ano seguinte à sua vitória no CT, um novo surfista chegou para assombrar o mundo do esporte: Gabriel Medina – brasileiro como Paulinho e que, assim como ele, foi matematicamente campeão da WSL já na etapa portuguesa. No ano seguinte o havaiano John John Florence ganhou o “caneco” mundial, e meio que foi se revezando com o brasileiro Medina em vitórias nos campeonatos da WSL nas duas décadas e meia seguintes – as quais ainda contaram com vitórias solitárias do sul-africano Jordy Smith e do brasileiro Ítalo Ferreira.

E o Paulinho? Continuou disputando o CT sempre com bravura, mas nunca mais passou do quinto lugar. A princípio, poderia parecer que a reversão completa das expectativas em relação àquela promessa do surf  mundial foi devida a algum motivo psicológico, ou mesmo físico – mas não: Paulinho continuou surfando como sempre surfara, mas não conseguiu, jamais, fazer as manobras inovadoras e progressivas que eram a característica principal da nova geração (Medina, John John, Filipe Toledo, Ítalo Ferreira, Jordy Smith, e por aí vai), a qual Paulinho pertencia apenas em termos cronológicos: seu surf era ultrapassado desde o início – o que ninguém, por incrível que pareça, tinha percebido a tempo.

E não que ele não tentasse dar os aéreos que deliciavam os amantes do esporte, e que tanto deviam à influência do skate – John John Florence, é sempre bom lembrar, era um excelente skatista. Mas Paulinho não conseguiu, nunca, acertar um aéreo que fosse.

Cinco anos depois que Paulinho tinha vencido seu único campeonato da WSL (anos nos quais ele treinou sem sucesso fazer manobras inovadoras e progressivas), ele teve uma espécie de luz: percebeu que jamais seria um John John Florence, que jamais seria um surfista realmente grande – ao contrário da expectativa geral anterior, inclusive dele.

No dia em que ele finalmente teve consciência disso, chamou seu grande amigo Gabriel Medina no canto e desabafou: “irmão, nunca mais vou ser campeão mundial, nunca vou conseguir dar uma manobra inovadora”. O então campeão mundial olhou bem nos olhos de Paulinho e respondeu: “Jesus tem um propósito maior pra você, bro, não se preocupe com isso”.

Paulinho, que nunca acreditara em Deus, hoje frequenta cultos evangélicos – quase sempre ao lado de seu amigo Medina – em Boiçucanga, na Igreja Bola de Neve.

(O texto acima, uma ficção com personagens reais, é uma resposta ao seguinte desafio literário proposto por Robertson Frizero: "escreva, em 500 palavras, um conto cujo tema seja a mediocridade. O protagonista deve ser um artista - não importa qual a sua expressão artística - e a cena mostrada deve retratar o momento em que a personagem dá-se conta do quanto está iludida quanto ao seu 'talento'. O que a personagem fará depois dessa constatação deve ser o desfecho do conto.")

Leia mais +
Coritiba e Cruzeiro em 2001
Esporte
Coritiba e Cruzeiro em 2001
12 de abril de 2016 at 08:37 0
Cheguei 15 minutos atrasado no estádio, e deixei o carro meio longe. Não apressei o passo, não faço mais estas coisas - tinha tanto jogo pra rolar ainda, pra que sair correndo? Não pude presenciar, portanto, a chuva de moedas e os gritos de “mercenário” com que a torcida local presenteou o ex-técnico coxa Ivo Wortmann, agora no Cruzeiro, o adversário de hoje (ontem). Ele se mandou sem nem mesmo se despedir, o que deixou todos meio magoados com ele por aqui. A gente não deve julgar, não é? Mas eu esperava mais dele, pois eu era um real admirador do trabalho (ainda sou) e da pessoa dele. (mais…)
Leia mais +
Coritiba campeão brasileiro de 1985
Esporte
Coritiba campeão brasileiro de 1985
14 de março de 2016 at 13:58 0
Já faz 16 anos – no final daquele ano memorável de 1985, em que o Coritiba foi campeão brasileiro, eu assisti uma retrospectiva na TV aonde foi dito que ainda ia demorar muito tempo para o Coritiba ganhar outro Campeonato Nacional. Na hora eu fiquei com raiva... mas realmente 16 anos é muito tempo, sob qualquer parâmetro. O que não impede que eu comemore a data, não é? O Campeonato foi marcado por lances dramáticos. Eu lembro de alguns detalhes daqueles dias (alguns bem imprecisos, como vocês poderão ver), e é deles que eu vou tratar aqui. (mais…)
Leia mais +
Coritiba campeão de 2003
Esporte
Coritiba campeão de 2003
5 de dezembro de 2015 at 10:32 0
Cheguei cedo no estádio. Aliás, eu achava que era cedo. A verdade é que a pouco menos de duas horas antes do início do jogo o estádio já estava quase que totalmente lotado. Tive sorte, antes de chegar no estádio, em achar meu pai, minha irmã e meu cunhado, que estavam parados diante da entrada. Eles assistem o jogo nas cadeiras superiores, enquanto que eu assisto sozinho, nas cadeiras de baixo. (mais…)
Leia mais +
Curiosidades sobre os primórdios do Coritiba
Esporte
Curiosidades sobre os primórdios do Coritiba
12 de outubro de 2015 at 01:48 0
Confusão com nomes Criado em 12 de outubro de 1909, o Coritibano Football Club passou a ser chamado Coritiba Foot Ball Club em 21 de abril de 1910. A razão para a troca foi, possivelmente, tentar evitar confusões com o nome do já tradicional e aristocrático Clube Curitibano. (mais…)
Leia mais +
Adriano
Esporte
Adriano
11 de outubro de 2015 at 01:42 0
Primeira cena: num jogo do Campeonato Brasileiro de 2002, Adriano vem correndo com a bola pela lateral esquerda. Dribla um adversário; dribla dois; dribla três. Não tem para quem passar a bola; volta e dribla novamente o jogador que tinha acabado de driblar. Cruza. A jogada não resulta em gol, e Adriano - que tinha corrido alucinadamente - volta mancando. Olha para Bonamigo, faz sinal de quem quer sair. O então técnico do Glorioso faz sinal para que o jogador fique. Adriano fica. (mais…)
Leia mais +
Esporte
Magia e a bandeira recolhida
1 de outubro de 2015 at 04:04 0
Que o Coritiba está melhorando a olhos vistos, ninguém duvida. A cada jogo o time fica melhor, mais aguerrido, mais consistente. A torcida começa a confiar em Antonio Lopes, e suas mudanças têm começado a surtir efeito. (mais…)
Leia mais +