Séries

Séries
You
19 de maio de 2019 at 18:19 0
You - fonte: internerdz

Joe Goldberg (Penn Badgley) é um funcionário de uma livraria em Nova York. É no trabalho que ele encontra Guinevere Beck (Elizabeth Lail) e se apaixona de cara. Como a moça se expõe bastante nas redes sociais, ele em pouco tempo consegue um enorme número de informações sobre ela e passa a segui-la obsessivamente. Este é o mote principal de “You”, série de 2018 da rede americana Lifetime, distribuída internacionalmente pela Netflix, cuja primeira temporada (a segunda já está confirmada) teve nove episódios de cerca de 45 minutos cada um.

Guinevere é uma universitária com sérios problemas financeiros e que não consegue concentração suficiente para se sair bem nas matérias em que está matriculada. Suas amizades – principalmente a ricaça Peach Salinger (Shay Mitchell) – são tóxicas e prejudiciais e seu namorado, Benji (Lou Taylor Pucci) é um rapaz rico, pretensioso, viciado em heroína e que não dá a menor importância para ela. A obsessão de Joe por Guinevere não tem limites: ele logo faz amizade com ela, e depois, consegue ser seu namorado. Mesmo tomando atitudes assustadoras para conseguir se aproximar dela, Joe consegue fazer uma análise bastante justa da vida de Guinevere – por exemplo, quando percebe que suas amigas, seu namorado e a sua obsessão pelas redes sociais são uma péssima influência para ela e seus estudos. A mistura de um Joe realmente preocupado com a sua amada, mas fazendo coisas horríveis para protegê-la, é o grande segredo do fascínio que “You” causa no público; não à toa, muitas espectadoras são “apaixonadas” por Joe Goldberg - o que irrita sobremaneira Penn Badgley, o ator que faz o personagem.

Leia mais +
Séries
Tabula Rasa
7 de abril de 2019 at 16:38 0
fonte: Netflix

A situação de Annemie D'Haeze (Veerle Baetens, sensacional) está para lá de complicada: teve um acidente de carro que a fez perder toda a memória dos acontecimentos ocorridos antes dele, e é acusada do desaparecimento de um rapaz que ela nem se lembra de ter conhecido. Esse é o mote principal de “Tabula Rasa”, brilhante série belga da Netflix, produzida em 2017, com nove episódios de cerca de 50 minutos cada um.

“Tabula Rasa” é contada pelo ponto de vista de Annemie, e o espectador sofre junto com ela – como não se sabe o que aconteceu, basicamente todos os personagens são suspeitos, a incerteza é uma constante e os fatos são contados de maneira diferente à medida que a série transcorre – e há espaço até para o sobrenatural. Tanto as atuações dos atores, como o desfecho da história são brilhantes. Não tem como recomendar demais “Tabula Rasa”.

Como comentário complementar, tenho notado como as séries não americanas da Netflix têm atuações, em média, melhores que as suas correspondentes americanas. Posso destacar nesse sentido as séries “Dark” (Alemanha), “Fauda” (Israel), “Nobel” (Noruega), “The End of the F***ing World” (Reino Unido). A razão disto deve ser, simplesmente, a quantidade: como os Estados Unidos produzem a grande maioria das séries da Netflix, é inevitável que a qualidade média da atuação acabe diminuindo um pouco, enquanto que os outros países podem caprichar mais nesse sentido.

Leia mais +
Séries
Novas temporadas de Atypical, The Good Place e Suits
24 de março de 2019 at 21:53 0
Katherine Heigl em Suits - fonte: US Weekly

Este texto comenta as novas temporadas de séries sobre as quais já eu já tinha comentado aqui.

"Atypical” trata de um menino autista, Sam Gardner (Kier Gilchrist), seus pais e sua irmã. Em sua segunda temporada, a série da Netflix consegue desenvolver com competência as histórias da mãe do garoto, Elsa (Jennifer Jason Leigh), do seu pai, Doug (Michael Rapaport) e de sua irmã, a linda Casey (Brigette Lundy-Paine): os três continuam adoráveis e irritantes ao mesmo tempo, ao contrário de Sam e do seu melhor amigo, Zahid (Nik Dodani), que são sempre adoráveis.

Parecia que o início da terceira temporada de “The Good Place” iria desandar tudo: nossos amigos Eleanor Shellstrop (Kristen Bell), Chidi Anagonye (William Jackson Harper), Jameela Jamil (Tahani Al-Jamil) e Manny Jacinto (Jason Mendoza) voltam da “outra vida” (o “bom lugar” é para onde eles foram depois de mortos) para fazer um curso de ética na Austrália - e  parecia que a série da Netflix estava começando a se levar a sério demais. Por sorte, isso logo ficou para trás e “The Good Place” logo voltou ao seu ritmo alucinado e divertidíssimo de sempre. Como se não bastasse, a temporada faz pensar enquanto faz rir: é possível ser realmente bom numa sociedade tão industrializada, tecnológica e globalizada como a nossa?  

O assunto mais recorrente da série “Suits” – série da USA Today transmitida por aqui pela Netflix - em suas sete temporadas iniciais era a tensão devida ao fato de que Michael Ross (Patrick J. Adams) poderia ser desmascarado por fraude, já que trabalhava como advogado sem sê-lo – ele sabia advocacia com profundidade e tinha memória fotográfica (decorava tudo o que lia). Na oitava temporada (só a primeira parte dela foi transmitida para cá - a segunda parte começou a passar nos Estados Unidos em janeiro de 2019), tanto Michael Ross quanto Rachel Zane (vivida pela atual princesa Meghan Markle) não são mais personagens da série que, surpreendentemente, parece mais interessante sem eles: os advogados Alex Williams (Dulé Hill) e, principalmente, Samantha Wheeler (a ótima Katherine Heigl), conseguiram substituir com brilhantismo aqueles que saíram.

Leia mais +
Séries
Outlander
24 de fevereiro de 2019 at 16:45 0
Jamie e Claire - fonte: Observatório do Cinema

Produzido pela americana Starz, a série britânico-americana “Outlander” é transmitida aqui no Brasil pela Netflix, que já apresentou três de suas quatro temporadas – que têm entre 16 e 13 episódios cada uma, com capítulos de cerca de uma hora cada.

Claire Randall (vivida por Caitriona Balfe) é uma enfermeira inglesa recém-casada que tinha trabalhado na Segunda Guerra Mundial. Em 1946 ela vai visitar Inverness, na Escócia, onde seu marido, o historiador Frank Randall (Hanan Tobias Simpson Menzies) vai fazer algumas pesquisas sobre as lutas pela independência da Escócia, organizadas pelos jacobitas, que acabaram sendo derrotados na Batalha de Culloden, em 1746.

Num passeio pelas proximidades, Claire visita umas pedras rituais e acaba voltando no tempo, em 1743, na Escócia ainda lutando pela sua independência. Lá ela se encontra e se apaixona pelo líder jacobita Jamie MacKenzie Fraser (Sam Heughan), bonito, charmoso, corajoso, inteligente, bom caráter - não é à toa que as mulheres costumam amar “Outlander”.

As aventuras que o casal Claire e Jamie se envolvem incluem uma passagem pela França de Luís XVI, um mercado de escravos na Jamaica, um emprego aparentemente sério em Glasgow, batalhas, torturas, muita violência e muito sexo não-explícito (um sujeito mais cínico poderia dizer que “Outlander” é uma espécie de “Cinquenta tons de cinza” com fundo histórico). São tantas as situações rocambolescas em que o acaso acaba resolvendo situações aparentemente insolúveis que o negócio frequentemente beira o absurdo – mas não esqueçamos que Claire é uma enfermeira do séc. XX se atrapalhando e se apaixonando no sec. XVIII, não dá para exigir tanta verossimilhança mesmo.

De todo modo, a série é muito bem produzida, e confesso que me diverti muito em boa parte de seus muitos e longos capítulos.

Leia mais +
Séries
Conversando com um serial killer: Ted Bundy
10 de fevereiro de 2019 at 17:19 0
Ted Bundy - fonte: The Independent

Ted Bundy (1946-1989) foi um assassino serial americano que assumiu o assassinato de 30 mulheres, quase todas jovens e morenas, entre 1974 e 1978 em seis estados americanos - mas que possivelmente matou ainda mais. Ele era bonito, charmoso, e conseguia passar uma imagem gentil e bem-sucedida, de tal modo que os membros da igreja em que frequentava na Flórida – o último estado em que cometeu crimes – fizeram uma campanha para inocentá-lo quando ele foi preso: eles não conseguiam se conformar que um rapaz tão inteligente e bem-apessoado pudesse ser incriminado por crimes tão horrendos – ele matava suas vítimas com requintes de violência, frequentemente as estuprando vivas ou mortas.

É este personagem sombrio, a primeira pessoa a ser chamada de “serial killer”, o tema da excelente série documental da Netflix “Conversando com um serial killer: Ted Bundy”, com quatro episódios de cerca de 50 minutos cada um. A base para o documentário são as cem horas de gravação que o jornalista Stephen Michaud fez com o assassino quando este já estava no corredor da morte. Ted Bundy passa boa parte destas muitas horas negando qualquer envolvimento com os crimes dos quais era acusado, mas quando o jornalista pede que ele descreva os crimes na terceira pessoa ele começa a descrevê-los de maneira “hipotética”.

O documentário alterna áudios das gravações com imagens de arquivo, entrevistas com amigos do assassino, vítimas, policiais e promotores. A história que se desenrola para o espectador é tão estranha que parece ficção: Ted Bundy teve uma infância aparentemente normal, estudou psicologia e depois direito, pediu para se defender em seus julgamentos, conseguiu fugir duas vezes depois de preso - e em cada uma delas conseguiu cometer mais crimes.

As muitas fotos em preto e branco das garotas assassinadas, enquanto ainda estavam vivas, dão um nó na garganta do espectador.

Leia mais +
Minhas séries preferidas?
Séries
Minhas séries preferidas?
6 de dezembro de 2018 at 10:21 0
Tenho praticamente certeza de que nunca vou gostar tanto de uma série como de “Arquivo X”. Não só tenho a série completa em DVD como já comentei sobre ela em dois livros, “Rua Paraíba” e “Memórias”, que espero conseguir publicar nos próximos anos. (mais…)
Leia mais +
Fauda
Séries
Fauda
13 de setembro de 2018 at 21:21 0
“Fauda”, em árabe, significa “caos”, e é também o nome de uma série israelense da Netflix que já apresentou até agora duas temporadas (a terceira já está garantida). Ela mostra um grupo especial antiterrorista às voltas com ameaças de terroristas palestinos, e “fauda” é a palavra que os israelenses do grupo gritam quando são descobertos numa operação e são ameaçados por palestinos. (mais…)
Leia mais +
Suits
Séries
Suits
9 de setembro de 2018 at 14:26 0
Um engravatado chega num escritório de altíssimo padrão e joga uma pasta na mesa. O engravatado que já estava por lá pergunta para o que acabou de entrar: “como é que você entrou aqui?” Quem quer que já tenha assistido a alguns episódios das sete temporadas (quase todas com dezesseis episódios cada uma) da série “Suits” (do canal “USA Network”, retransmitida aqui pela Netflix) deve se lembrar de ter visto uma situação assim. Reconheço que a cena acima não parece muito estimulante: eu mesmo não estava muito animado com a série que a Valéria assistia aqui em casa, enquanto eu fazia alguma coisa ali por perto. Mas, no final da segunda temporada comecei a assistir aos episódios, e assistimos juntos todos eles até o final da sétima temporada – e, como se não bastasse, ainda vi os episódios do início, para completar o negócio. “Suits” gira em torno de uma empresa de advocacia em Nova Iorque (por mais que a série seja gravada praticamente toda em Toronto, no Canadá). Logo no início, um dos sócios da empresa, Harvey Specter (Gabriel Macht) está fazendo um teste para a contratação de um advogado e, por um acaso daqueles, acaba aceitando no teste Michael Ross (Patrick J. Adams), um rapaz brilhante e de memória fotográfica (ele decora tudo o que lê), que sabe direito com profundidade mas que não se formou por uma série de problemas pessoais. Harvey Specter acaba aceitando Michael Ross mesmo sabendo que ele não é formado, e esta fraude é um motivo de permanente tensão e acontecimentos durante a série. Mas, claro, “Suits” é muito mais que isso: tem o brilhante e infantil advogado Louis Litt (Rick Hoffman); a esperta secretária Donna Paulsen (Sarah Rafferty, amiga pessoal de Gabriel Macht, o Harvey Specter); a fria chefona Jessica Pearson (Gina Torres); e, claro, muitas brigas judiciais e chantagens – e, sim, muitas discussões sérias e sutis sobre ética. De todo modo, você pode ter ouvido falar em “Suits” apenas por causa da agora princesa Meghan Markle, mulher do príncipe Harry, que fez a técnica judiciária Rachel Zane nas sete temporadas exibidas até agora e que – por motivos óbvios – estará ausente da oitava, que já estreou nos Estados Unidos. (foto que acompanha o texto: USA Network)
Leia mais +