Literatura

Literatura
“Devoção”, de Patti Smith
19 de janeiro de 2020 at 16:20 0
foto do autor

Lançado em 2019, “Devoção” (Companhia das Letras, 140 páginas, com tradução de Caetano W. Galindo) começa como seus excelentes “Linha M” e “O ano do macaco”, com a cantora e escritora Patti Smith em seu lindo estilo carinhoso e impressionista. No caso aqui, ela discorre sobre uma viagem para Paris e comenta sobre Patrick Modiano e Simone Weil. 

Lá pelas tantas ela fala de um conto que está escrevendo, chamado “Devoção” – e, quando eu não estava esperando, o conto começa. Este conta a história de Eugenia, uma garota muito inteligente mas que não dá importância para os estudos, órfã, filha de pais estonianos e criada pela irmã, Irina, e o namorado dela, Martin. O que Eugenia realmente gostava de fazer era patinar – e foi num lago congelado onde ela passava horas praticando o esporte que ela conhece Alexander, homem rico que não só tem um caso e acaba morando com nossa heroína, como começa a pagar os treinos de Eugenia para que esta se profissionalize na patinação.

Fiquei meio dividido em relação a “Devoção”, que em muitos trechos me pareceu meio ingênuo, ou didático demais. A solução que Patti Smith dá para o conto acaba dando um jeito no que parecia um caso perdido. 

De todo modo, a última parte do livro, “Um sonho não é um sonho”, Patti Smith volta ao seu estilo de sempre, descrevendo uma visita à casa onde Albert Camus passou os últimos dias da vida, convidada pelos descendentes do escritor. E o livro termina de maneira sublime:

"Qual a tarefa? Compor uma obra que comunique em vários níveis, como numa parábola, sem a marca da inteligência vulgar.

Qual o sonho? Escrever algo bom, que fosse melhor do que eu sou, e que justificasse minhas tribulações e indiscrições. Oferecer prova, por meio de palavras reordenadas, de que Deus existe.

Por que eu escrevo? Meu dedo, como uma caneta de ponta seca, retraça a pergunta no ar em branco. Um enigma conhecido, proposto desde a juventude, quando eu me afastava das brincadeiras, dos companheiros e do vale do amor, cingida de palavras, um passo fora do grupo.

Por que escrevemos? Irrompe um coro.

Porque não podemos somente viver."

Leia mais +
Filosofia, Literatura
Turmas
12 de janeiro de 2020 at 15:41 0
Luiz Felipe Pondé - Wikipédia

Em vídeos e crônicas, o famoso filósofo Luiz Felipe Pondé – que eu admiro muito, aliás – parece citar sempre os mesmos escritores: Fiódor Dostoiévski, William Shakespeare, Liev Tolstói, Nelson Rodrigues, Machado de Assis, Georges Bernanos e mais alguns poucos (não custa lembrar que ele está lançando um curso online sobre literatura, cujo link está aqui). Dostoiévski, então, é uma verdadeira mania para ele: em suas entrevistas da série “Democracia na Teia”, por exemplo, há uma edição gigantesca do grande autor russo atrás de entrevistador e entrevistado – mais do que isso, ele parece sempre pronto a citá-lo a qualquer momento, com ou sem necessidade.

Eu raramente cito qualquer um desses escritores da turma do Pondé. Do Dostoiévski, li “Crime e Castigo” quando adolescente, e “Os irmãos Karamazov”, bem mais tarde. Gostei muito, mas não me marcaram. De Tolstói li mais e gostei mais, mas raramente lembro dele. Machado de Assis é um gênio, claro, mas aqui no Brasil prefiro Lima Barreto (acabei de ler “Recordações do escrivão Isaías Caminha” pela terceira vez dia desses) e Dalton Trevisan. De Shakespeare conheço muito pouco, embora tenha lido “Júlio César” ano passado e tenha amado. Sobre Nelson Rodrigues eu comentei no meu “Verão de 54”: “para ser grande literatura ainda falta um tanto para Nelson Rodrigues”. Bernanos eu conheci recomendado pelo próprio Pondé, gostei muito, mas achei meio confuso.

Eu tenho uma turminha de escritores que cito sempre, também. Lembro, por exemplo, que parei de ler as colunas de dois críticos de literatura só porque falaram mal de “2666”, de Roberto Bolaño: um deles ainda teve o desplante de escrever que outra obra do chileno, “Os detetives selvagens” – que eu achei ruim – era “mais bem acabado” (ou alguma outra expressão sem sentido) que “2666”.

De todo modo, minha turminha de escritores, fora os que já citei – Lima Barreto, Dalton Trevisan, Roberto Bolaño – tem ainda Patrick Modiano, Gabriel García Márquez, Marcel Proust, Karl Ove Knausgard, Honoré de Balzac, Junichiro Tanizaki, Philip Roth, Thomas Mann, J.M.G. Le Clézio e mais alguns. Tem um outro autor que está na minha turma e na do Pondé, mas ele não foi citado – ainda.

Existe uma autora que acabou entrando na minha turma há uns poucos anos, a escritora e cantora Patti Smith. Em “O ano do macaco” ela conta de sua paixão avassaladora por “2666”, de Roberto Bolaño. Em “Devoção” ela fala de maneira extremamente carinhosa – como só ela consegue fazer – de Patrick Modiano e Simone Weil. Modiano e Bolaño admirados como devem ser! (A Simone Weil, cujas obras nunca li, deve ser muito boa também, haha.) Será que a turma de Patti Smith é parecida com a minha? Espero que sim.

De todo modo, por que a turma de Pondé é diferente da minha e, quem sabe, da da Patti Smith também? Porque, acredito eu, como filósofo, ele quer retirar algum ensinamento, quer “enxergar” algo por trás de uma obra literária. Dostoiévski e o problema da existência. Machado de Assis e o ciúme. Shakespeare e os sentimentos humanos. Nelson Rodrigues e a hipocrisia da classe média. Georges Bernanos e a fé. Tolstói e... sei lá o que ele quer ver em Tolstói.

Já eu e, provavelmente, a Patti Smith, queremos nos deslumbrar com uma obra literária. Não há o que enxergar por trás de “2666”, não há nenhum ensinamento por trás desta maravilha. O livro é apenas isso – uma maravilha. [1]

Antes de terminar, comentei acima que existe um autor que faz parte da minha turma e da do Pondé: o nome dele é Franz Kafka. Ele deve admirar o grande autor tcheco pela crítica à burocracia, ou pelo retrato simbólico do absurdo da existência, ou coisa que o valha. Eu sei que amo Kafka pela imaginação e pela maravilhosa técnica de contar histórias malucas como se estivesse fazendo um relatório de empresa de seguros.


[1] Algum engraçadinho pode vir me questionar dizendo que o que está por trás das obras de Balzac, Thomas Mann e Junichiro Tanizaki, da minha turma, sejam respectivamente o dinheiro, a arte e o sexo. O que eu teria em minha defesa? Sei lá, hehe.

Leia mais +
Literatura
“A mulher do próximo”, de Gay Talese
5 de janeiro de 2020 at 16:18 0
Gay Talese - Wikipédia

Como se sabe, o final dos anos 60 e início dos anos 70 do século passado foram uma época de grande liberdade nos costumes nos Estados Unidos, e esse é o tema do livro “A mulher do próximo – crônica da permissividade americana nas décadas de 1960 e 1970”, de Gay Talese (Companhia das Letras, 504 páginas), um dos maiores expoentes – senão o maior - do movimento chamado “jornalismo literário” norte-americano.

Quando se pensa na liberação sexual daquela época, a primeira coisa que vem à cabeça da maioria das pessoas é a contracultura e o movimento hippie. Talese, por sua vez, praticamente passa ao largo desses temas: seu foco, em “A mulher do próximo”, é nas classes média e alta, nas pessoas “comuns”, e como a liberação sexual influenciou suas vidas. Ao invés de se concentrar em análises sociológicas, Talese escolhe pessoas famosas ou anônimas e conta suas histórias (principalmente, claro, o lado sexual de suas histórias): um ex-técnico da Nasa que funda uma comunidade onde o sexo é livre; diversos editores de livros e revistas pornográficos (inclusive Hugh Hefner, da Playboy) e suas brigas contra a censura por obscenidade; juízes pró e contra a liberação da censura na imprensa; um casal de classe média normal que tem sua vida virada do avesso quando começam a experimentar o sexo livre; o painel de Gay Talese é tão amplo que até mesmo defensores do sexo livro de décadas e até séculos anteriores, e o próprio autor do livro (em terceira pessoa) têm suas histórias pessoais e sexuais dissecadas.

Leia mais +
História, Literatura
Os livros que mais gostei de ter lido em 2019
22 de dezembro de 2019 at 16:03 0
Patti Smith: Kiss FM
  1. "Ecce homo", de Nietzsche: o título um dos capítulos do último livro escrito por Nietzsche é “por que escrevo livros tão bons”. O filósofo alemão sabia das coisas.
  2. “O ano do macaco”, de Patti Smith: a cada novo livro, a famosa cantora punk mostra que é possível ser genial em mais de uma área.
  3. “Oryx e Crake”, de Margaret Atwood: apesar de a escritora ter criado um universo distópico assustador no ótimo “O conto da aia”, em que foi baseada a espetacular série "The handmaid's tale", “Oryx e Crake” é um pouco melhor como literatura.
  4. “Verão”, de J.M.Coetzee: este ano reli meu livro preferido do grande escritor sul-africano, Nobel de 2003. Pretendo reler de novo qualquer hora.
  5. ”Serotonina”, de Michel Houellebecq: engraçado, triste, genial.
  6. “Desgracida”, de Dalton Trevisan, sempre provando que Curitiba pode criar alta literatura.
  7. “Diário de um velho louco”, de Junichiro Tanizaki: muito não é o que parece nesta história em que um velho impotente não consegue frear seus instintos sexuais.
  8. “Longe das Aldeias”, de Robertson Frizero: uma impressionante história das marcas de uma guerra.
  9. “Manifestos vermelhos e outros textos históricos da Revolução Russa”, organizado por Daniel Aarão Reis: a história sendo criada, mostrada em documentos da época. Emocionante é pouco.
  10. “Légendes de Catherine M.”, de Jacques Henric: o fascínio do corpo feminino.
Leia mais +
Literatura
“Violetas e pavões”, de Dalton Trevisan, e “O ano do macaco”, de Patti Smith
22 de dezembro de 2019 at 15:55 0
Dalton Trevisan: Revista Veja

Dois livros que me causam alguns problemas para comentar, por motivos diferentes.

A última obra publicado por Dalton Trevisan, em 2014, “Violetas e pavões” (Record, 143 páginas) é um livro de contos muito diferente do que estamos acostumados do normal do grande curitibano: em boa parte das suas histórias, um viajante (que não sabemos se é o próprio escritor) vai desfilando impressões sobre diferentes cidades, principalmente na Itália. Em alguns contos aparecem bordéis e prostitutas, mas tudo de maneira muito sutil e delicada – nada parecido com a histórias escabrosas que fizeram a fama de Dalton Trevisan. “Violetas e pavões” é um livro que poderia ser chamado de impressionista: são feitas muitas descrições de ambientes, cidades e lugares, de maneira ao mesmo tempo intimista e distante. Não é um livro ruim, não mesmo, mas se eu não soubesse que era de Dalton Trevisan eu não iria achá-lo chato? Prefiro não pensar muito na resposta.

Já o recém lançado “O ano do macaco”, da escritora e cantora Patti Smith (Companhia das Letras, 164 páginas), assim como seus anteriores e maravilhosos “Só garotos” e “Linha M”, é autobiográfico, e a autora conta histórias de sua vida de sua maneira fascinante, afetiva e original. Só que em “O ano do macaco” o sobrenatural – que já teve um pequeno papel em “Linha M” – praticamente toma conta de toda história: às vezes não sabemos se o que ela conta é realidade, sonho ou simplesmente delírio (por exemplo, ela conversa, a sério, com uma placa de trânsito).

Uma das dificuldades para comentar o livro – ao contrário daquele de Dalton Trevisan citado acima - é definir por que ele é tão maravilhoso, já que ele é constituído apenas por histórias que "vão passando". A outra dificuldade, pessoal, é como fazer para explicar o poder hipnótico de “O ano do macaco”: afinal de contas, todas as loucuras que ela conta no livro me pareceram perfeitamente racionais enquanto eu o lia.

Leia mais +
Literatura, Obra Literária
Vídeo de divulgação do meu conto “A mulher de César”, na coletânea “Ser”
19 de dezembro de 2019 at 09:23 0
https://youtu.be/ephpVxUthG8

Este é o vídeo que fiz para divulgar o meu conto "A mulher de César", publicado na coletânea "Ser". Ele foi feito para a live de lançamento do livro, no canal do YouTube do Café do Escritor.

A coletânea pode ser comprada na página do Facebook do Café do Escritor.

Leia mais +
Literatura
“Serotonina”, de Michel Houellebecq
8 de dezembro de 2019 at 16:09 0

Logo no início do livro, o narrador Florent-Claude Labrouste, francês e com quarenta e seis anos, está na Espanha e começa a ajudar duas belas espanholas de cerca de vinte anos cada uma – uma de cabelos castanho-claros, outra de cabelos escuros – a trocar o pneu do carro delas. Florent-Claude Labrouste (nome que ele mesmo detesta) comenta que elas são lindas, e acrescenta que "nos últimos tempos ele havia esquecido" até que ponto "as garotas podem ser lindas”, e continua:

“Mas as garotas eram reais, e fui tomado por um leve pânico quando uma delas veio na minha direção. Tinha cabelo castanho-claro, comprido e levemente ondulado, e na testa usava uma faixa de couro fininha decorada com motivos geométricos coloridos. Um top de algodão branco cobria mais ou menos seus seios, e a saia top de algodão branco cobria mais ou menos seus seios, e a saia curta, esvoaçante, também de algodão branco, parecia prestes a se levantar com qualquer baforada de ar – mas não havia, esteja dito, nenhuma baforada de ar, Deus é clemente e misericordioso.”

O texto acima, logo no início de “Serotonina”, do francês Michel Houellebecq (Alfaguara, 240 páginas, tradução de Ari Roitman e Paulina Wacht) é uma boa mostra do estilo do autor: frases longas com muitas vírgulas e comentários, o sexo como uma presença constante, tiradas extremamente cômicas – “Deus é clemente e misericordioso” é uma frase que se repete no Alcorão, o que dá um efeito inesperado no trecho transcrito.

No livro, Florent-Claude Labrouste é um engenheiro agrônomo de sucesso e, ainda por cima, herdeiro de uma grande fortuna, mas isso não o torna feliz: com relações sempre complicadas com (muitas) mulheres, aos quarenta e seis anos o narrador de “Serotonina” está solitário, e também sem desejo sexual, devido ao antidepressivo que está tomando. O livro, uma pequena obra-prima de tom engraçado e amargo ao mesmo tempo, conta as aventuras e desventuras de Florent-Claude Labrouste depois do encontro fortuito narrado acima. 

Eu não sou muito dado a leituras sociológicas dos romances que leio, mas se há um livro que narra de modo implacável aspectos importantes da vida moderna – o uso dos antidepressivos, a falta de esperança generalizada, o desinteresse pelo mundo -, é “Serotonina”, deste grande Michel Houellebecq.

Leia mais +
Literatura
“Verão”, de J.M.Coetzee
1 de dezembro de 2019 at 21:29 0
Foto: Vortex Cultural

J.M.Coetzee é um escritor é sul-africano de origem afrincânder, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 2003. A pronúncia correta é algo parecido com côtzêe

“Verão” (Companhia das Letras, 276 páginas), um dos melhores livros que já li, é a terceira obra de sua trilogia autobiográfica e tem uma estrutura pra lá de original: nela, o escritor “John Coetzee” já está morto, e um jornalista entrevista algumas pessoas próximas a ele – quatro mulheres e um homem – para conseguir material para uma biografia do escritor. “Verão” é composto basicamente por essas entrevistas.

Os entrevistados têm opiniões nada lisonjeiras sobre Coetzee: ele é chamado por termos como “mosca morta”, “distante”, “esquisito”, com “ideias estranhas”. A tentação de me comparar com ele é meio grande, já que alguns desses qualificativos pouco agradáveis podem se aplicar perfeitamente a mim – quem me conhece, ou me conhece pouco, sabe disso. Mais do que isso, Coetzee é um escritor com formação em exatas – ele é formado em matemática, enquanto eu sou engenheiro – e, também como eu, entende de programação de computadores.

De todo modo, este jeito distante de "John Coetzee" esconde um grande observador da alma humana. Uma das personagens de “Verão”, a brasileira Adriana, ficou com um ódio profundo de Coetzee por ele ter se apaixonado por ela sem que ela quisesse nada com ele. Mesmo assim ela serve de modelo - e modelo altamente positivo ainda por cima! - de uma personagem num livro que ele escreveria mais tarde. Para Coetzee, a observação aguda e imparcial foi muito mais importante do que a raiva que a brasileira Adriana sentia por ele.

Leia mais +