maio 2019

Séries
You
19 de maio de 2019 at 18:19 0
You - fonte: internerdz

Joe Goldberg (Penn Badgley) é um funcionário de uma livraria em Nova York. É no trabalho que ele encontra Guinevere Beck (Elizabeth Lail) e se apaixona de cara. Como a moça se expõe bastante nas redes sociais, ele em pouco tempo consegue um enorme número de informações sobre ela e passa a segui-la obsessivamente. Este é o mote principal de “You”, série de 2018 da rede americana Lifetime, distribuída internacionalmente pela Netflix, cuja primeira temporada (a segunda já está confirmada) teve nove episódios de cerca de 45 minutos cada um.

Guinevere é uma universitária com sérios problemas financeiros e que não consegue concentração suficiente para se sair bem nas matérias em que está matriculada. Suas amizades – principalmente a ricaça Peach Salinger (Shay Mitchell) – são tóxicas e prejudiciais e seu namorado, Benji (Lou Taylor Pucci) é um rapaz rico, pretensioso, viciado em heroína e que não dá a menor importância para ela. A obsessão de Joe por Guinevere não tem limites: ele logo faz amizade com ela, e depois, consegue ser seu namorado. Mesmo tomando atitudes assustadoras para conseguir se aproximar dela, Joe consegue fazer uma análise bastante justa da vida de Guinevere – por exemplo, quando percebe que suas amigas, seu namorado e a sua obsessão pelas redes sociais são uma péssima influência para ela e seus estudos. A mistura de um Joe realmente preocupado com a sua amada, mas fazendo coisas horríveis para protegê-la, é o grande segredo do fascínio que “You” causa no público; não à toa, muitas espectadoras são “apaixonadas” por Joe Goldberg - o que irrita sobremaneira Penn Badgley, o ator que faz o personagem.

Leia mais +
Literatura
“Satíricon”, de Petrônio
12 de maio de 2019 at 18:03 0

Para um interessado nos costumes do Império Romano como eu, “Satíricon” (L&PM Pocket, 224 páginas, tradução do latim de Alessandro Zir), de Petrônio (27-66 d.C.), é ao mesmo tempo fascinante e frustrante, conforme explico a seguir.

O livro conta as a história de uma pequena trupe de vagabundos, Encólpio, seu amante Ascilto e seu servo Gitão, além do poeta Eumolpo, que se liga aos três no meio da história. Eles passam por diversas situações – quase sempre cômicas – envolvendo brigas, roubos, um banquete (onde aparece o famoso personagem Trimalquião, ex-escravo, vulgar e riquíssimo), recitações de poesia – sempre criticadas pelos demais personagens – por parte de Eumolpo, uma aventura com uma sacerdotisa do deus Príapo, e muito sexo – inclusive entre menores. A parte do fascínio de “Satíricon” está em que, sendo este um dos únicos romances em prosa da época que sobreviveram até os dias de hoje, é mais ou menos como ler um Balzac (famoso, entre outras coisas, pelo realismo de suas descrições da vida no Terceiro Império francês) do Império Romano: vemos os personagens se perdendo no escuro pois esqueceram suas tochas, participando de rituais pagãos, morando em apartamentos minúsculos, se alimentando em banquetes, se maquiando das maneiras mais esquisitas. E, o que é melhor, “Satíricon” é escrito de maneira debochada e vívida, agradabilíssimo de ler.

A parte frustrante é que a obra chegou até nós incompleta: o livro começa com a ação em andamento e os fragmentos vão ficando cada vez mais esparsos à medida que a ação transcorre. Nunca saberemos o que acabou acontecendo com os anti-heróis Encólpio, Ascilto, Gitão e Eumolpo.

Leia mais +
Literatura
“Diário de um velho louco”, de Junichiro Tanizaki
5 de maio de 2019 at 16:13 0

“Não tenho nenhuma intenção de me apegar tenazmente à vida, mas uma vez que continuo vivo, não posso deixar de sentir atração pelo sexo oposto.” Esta frase, obtida do romance “Diário de um velho louco” (Estação Liberdade, 208 páginas, tradução do japonês de Leiko Gotoda), de Junichiro Tanizaki (1886-1965), é tão representativa do livro que estampa, solitária, sua contracapa.

Tokusuke Utsugi é um senhor de 77 anos, que vive com a esposa, uma enfermeira, seu filho Jokichi e a mulher dele, Satsuko. Apesar de impotente e com a condição física bastante deteriorada, o desejo sexual do patriarca da família Utsugi pela nora Satsuko vai ficando cada vez mais exacerbado à media que transcorrem os dias. Ele não esconde dela seu desejo, e vai conseguindo um favorzinho dela aqui, outro ali. Não dá para contar mais para não estragar a surpresa.

“Diário de um velho louco” é, em sua maior parte, escrito na forma do diário do próprio Utsugi e é fascinante na descrição da obsessão sexual do idoso pela nora. Uma obra-prima.

Leia mais +