listas

História, Literatura
Os livros que mais gostei de ter lido em 2019
22 de dezembro de 2019 at 16:03 0
Patti Smith: Kiss FM
  1. "Ecce homo", de Nietzsche: o título um dos capítulos do último livro escrito por Nietzsche é “por que escrevo livros tão bons”. O filósofo alemão sabia das coisas.
  2. “O ano do macaco”, de Patti Smith: a cada novo livro, a famosa cantora punk mostra que é possível ser genial em mais de uma área.
  3. “Oryx e Crake”, de Margaret Atwood: apesar de a escritora ter criado um universo distópico assustador no ótimo “O conto da aia”, em que foi baseada a espetacular série "The handmaid's tale", “Oryx e Crake” é um pouco melhor como literatura.
  4. “Verão”, de J.M.Coetzee: este ano reli meu livro preferido do grande escritor sul-africano, Nobel de 2003. Pretendo reler de novo qualquer hora.
  5. ”Serotonina”, de Michel Houellebecq: engraçado, triste, genial.
  6. “Desgracida”, de Dalton Trevisan, sempre provando que Curitiba pode criar alta literatura.
  7. “Diário de um velho louco”, de Junichiro Tanizaki: muito não é o que parece nesta história em que um velho impotente não consegue frear seus instintos sexuais.
  8. “Longe das Aldeias”, de Robertson Frizero: uma impressionante história das marcas de uma guerra.
  9. “Manifestos vermelhos e outros textos históricos da Revolução Russa”, organizado por Daniel Aarão Reis: a história sendo criada, mostrada em documentos da época. Emocionante é pouco.
  10. “Légendes de Catherine M.”, de Jacques Henric: o fascínio do corpo feminino.
Leia mais +
Os livros que eu mais gostei de ter lido em 2018
Literatura
Os livros que eu mais gostei de ter lido em 2018
16 de dezembro de 2018 at 15:12 0
  1. “As irmãs Makioka”, de Junichiro Tanizaki: um painel da vida no Japão em meados do século XX, a história de quatro irmãs, um dos melhores livros que já li.
  2. “Ilíada”, de Homero: o início da literatura ocidental.
  3. “Triste Fim de Policarpo Quaresma”, de Lima Barreto: a história do nacionalista patético que queria que o tupi fosse a língua oficial do Brasil é apenas parte deste livro fascinante.
  4. “O Gigante Enterrado”, de Kazuo Ishiguro: um livro de fantasia e grande literatura.
  5. “Confissões”, de Santo Agostinho: não há como superestimar a influência deste livro na literatura, na teologia e na filosofia ocidentais.
  6. “A Descoberta da Escrita”, de Karl Ove Knausgard: o quinto dos seis livros da série “Minha Luta”, do grande escritor norueguês. Quando a Companhia das Letras vai lançar o sexto?
  7. “Un cirque passe”, de Patrick Modiano: uma jovem misteriosa, perdida - e apaixonante.
  8. “A gorda do Tiki Bar”, de Dalton Trevisan: o título já diz tudo. O curitibano em sua melhor forma.
  9. “Hors d’atteinte?”, de Emmanuel Carrère: o vício em jogo, no meio de um casal intelectualizado e vazio, numa história contada com carinho e um pouco de cinismo.
  10. “Lúcia McCartney”, de Rubem Fonseca: acho que nunca vou esquecer o impacto dos primeiros contos deste livro.
Leia mais +
Meus livros preferidos
Literatura
Meus livros preferidos
22 de julho de 2018 at 19:11 0
Faz tempinho que eu não faço uma listinha de livros preferidos, né? Então lá vai mais uma, com links de comentários meus sobre os livros e/ou os autores:

1. “Em busca do tempo perdido”, de Marcel Proust: todo um universo em sete livros. (mais…)

Leia mais +
As onze melhores de Bones
Música
As onze melhores de Bones
15 de julho de 2018 at 18:43 0
Estava ouvindo Bones com a Valéria no carro quando tocou “Spirulina”, um rap hipnotizante e poderoso, acompanhado por um clipe sombrio. Falei para ela que esta música entraria numa lista de dez melhores músicas do Bones... mas não tinha pensado nas outras. Ainda. (mais…)
Leia mais +
Minhas músicas preferidas: 1. “Hiyah”, de Ashley All Day
Música
Minhas músicas preferidas: 1. “Hiyah”, de Ashley All Day
16 de março de 2018 at 00:16 0
Eu estava na cama num hotel em São Paulo - tinha acabado de assistir ao show da Ariana Grande - quando vi pelo celular que, finalmente, Ashley All Day tinha lançado seu novo vídeo, “Hiyah”. Comecei a mexer no aparelho, que caiu embaixo da cama, e fui que nem um idiota lá para baixo. A Valéria já estava deitada, e a confusão que eu fiz foi tão grande que ela, com razão, começou a reclamar. Respondi: “A ASHLEY ALL DAY ACABOU DE LANÇAR UM VÍDEO E EU AINDA NÃO VI!” (mais…)
Leia mais +
Minhas músicas preferidas: 2. “X”, de 21 Savage
Música
Minhas músicas preferidas: 2. “X”, de 21 Savage
13 de março de 2018 at 16:28 0
Ashley All Day está entre duas amigas no banco de trás de um carro. A minha cantora preferida está com cara de paisagem, e um rap é executado. Quando o refrão começa, as três começam a dançar sentadas mesmo, mas não tem como tirar os olhos de Ashley All Day: em poucos segundos, apertada, ela faz várias coreografias - há poucas coisas mais divertidas neste mundo de Deus. (mais…)
Leia mais +
Minhas músicas preferidas: 3. “Do You Wanna Know?”, do Arctic Monkeys
Música
Minhas músicas preferidas: 3. “Do You Wanna Know?”, do Arctic Monkeys
5 de fevereiro de 2018 at 21:26 0
Era uma coisa engraçada: a cada vez que eu ouvia uma música na voz do Alex Turner, vocalista do Arctic Monkeys, eu pensava que devia dar uma chance para esta banda britânica. Há muitos anos eu não acompanho as novidades do rock originário da Inglaterra, de modo que o que sempre acontecia é que eu esquecia do Alex Turner logo depois de ter pensado que sim, eu deveria dar uma chance para o Arctic Monkeys. (mais…)
Leia mais +
Minhas músicas preferidas: 4. “Reminder”, de The Weeknd
Música
Minhas músicas preferidas: 4. “Reminder”, de The Weeknd
20 de dezembro de 2017 at 17:07 0
No clipe de “Reminder”, o cantor The Weeknd contracena com muitos outros astros da música pop negra americana, como Drake, ASAP Rocky, Travis Scott e Nav. Todos transitam entre belas mulheres, carros possantes, uma mansão e até um avião. Mas os outros cantores estão lá apenas para marcar presença, já que The Weeknd canta sozinho esta preciosidade: sinal, provavelmente, de que o cantor é bem quisto por seus pares. A letra de “Reminder” fala do uso de drogas (“tudo que eu quero é fazer dinheiro e me drogar”), sexo (“quando volto para a minha cidade, eu como toda garota que eu conheço”), sucesso (“quando viajo pelo mundo, faço 2 milhões por show”), álcool (“bebi um copo duplo, eu estou misturando as doses”). Pode parecer chocante para quem não acompanha o rap/rhythm & blues moderno, mas não é assim tão diferente do que se ouve por aí. (mais…)
Leia mais +