Três livros de contos
Literatura

Três livros de contos

9 de dezembro de 2018 0

Três excelentes livros de contos, muito diferentes uns dos outros.

“Noturnos”, do britânico Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de 2017 (Companhia das Letras, 214 páginas) conta sete histórias de músicos: um grande cantor do passado que tenta fazer uma serenata para a mulher em Veneza (“Crooner”), uma história mal resolvida do tempo da juventude que volta à tona (“Chova ou faça sol”), um guitarrista jovem que encontra um casal de músicos de meia idade (“Malvern Hills”), e o melhor conto do livro, o hilário “Noturno”, que conta uma noite maluca num hotel de luxo. O livro, traduzido por Fernanda Abreu, é ótimo – apenas a última história, a implausível “Celistas”, é esquecível.

“Feliz ano novo” é um clássico do grande Rubem Fonseca (Companhia das Letras, 184 páginas) e merece sua fama – pela qualidade de suas histórias violentas e inesperadas. Só que, confesso, às vezes eu ficava meio enfastiado em meio a tanto sangue derramado.

O melhor fica para o fim: “Fugitiva”, de Alice Munro, Prêmio Nobel de 2013 (Editora Globo, 350 páginas), é tão bom quanto o outro dela que eu tinha lido, “Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento” – sobre o qual comentei aqui que “me trouxe um prazer que eu mesmo não estou acostumado a sentir em minhas leituras”. Não precisa dizer mais nada.

(crédito da foto: The New Republic)

0

There are 0 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *