Música

Amenra (Fabrique Club, 1/3/2020)

15 de março de 2020 0

Eu comecei a me divertir pensando neste texto enquanto via o show da banda belga Amenra, em São Paulo. Explico: o meu show preferido tinha sido o do Morrissey no ano 2000, mas em 2017 escrevi aqui pedindo desculpas a ele por ter preferido o show da Ariana Grande. Depois, em 2018, foi a vez de o jogo virar eu comentar que o show do “Morrissey no Espaço das Américas em São Paulo, no dia 2 de dezembro, foi não só o melhor dos três dele que já vi, como, provavelmente, foi o melhor show a que já assisti”. E aí vem o motivo do meu divertimento durante o show do Amenra: eu teria que escrever que tinha mudado de ideia de novo, porque ele estava fazendo picadinho de tudo a que eu tinha assistido antes.

O espetáculo se iniciou com o vocalista Colin H. Van Eeckhout, de joelhos e de costas para a plateia, tocando uma espécie de percussão metálica num ritmo lento e preciso, enquanto os instrumentos faziam um clima baixinho ao fundo. Aquilo demorou uns bons minutos, a ponto de eu ficar me perguntando quando mesmo o show iria começar… até que todos os instrumentos (duas guitarras, bateria e baixo – a cargo do grande Levy Seynaeve, líder o Wiegedood, sobre quem já comentei aqui) tocam os primeiros acordes em uníssono, o vocalista grita, e todos no Fabrique Club passam a saber que estavam vivenciando uma experiência única.

Eu lamento não ter o talento do meu mestre José Augusto Lemos para o superlativo – eu lembro dos textos dele falando de shows como um da Gal Costa e outro do David Bowie: o Amenra merecia um texto melhor, mas isso agora não importa muito.

A banda de “doom/sludge metal/hardcore” (segundo o Encyclopaedia Metallum) mantém a pegada de alternância entre peso e delicadeza durante todo o show. Colin H. Van Eeckhout passa a maior parte do tempo de costas para a plateia, e se vira de vez em quando e parece que vai rasgar a camiseta; ao seu lado, o baixista Levy Seynaeve alterna entre momentos de costas e de frente para a plateia, do mesmo modo que os guitarristas Mathieu J. Vandekerckhove e Lennart Bossu, nas pontas do palco. Durante todo o show são projetadas belíssimas imagens em preto e branco com cenas rurais e partes de corpos humanos. Muito mais não tem como descrever, a não ser que eu fosse o já citado José Augusto Lemos. Por sorte a banda tem alguns shows muito bem filmados no YouTube (ver aqui, por exemplo), que dão uma boa ideia da coisa.

Enfim, quase todas as pessoas com as quais eu conversei falaram termos como “magia” para descrever esse espetáculo incomum. 

O show da minha vida. 

Desculpem, Morrissey e Ariana Grande.

0

There are 0 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *