Rubem Fonseca

“Diário de um Fescenino”, de Rubem Fonseca
Literatura
“Diário de um Fescenino”, de Rubem Fonseca
13 de junho de 2017 at 21:44 0
Rufus é um escritor que mora sozinho, que não gosta da companhia de pessoas do mesmo sexo e que, por outro lado, ama ter relações com pessoas do sexo oposto. De preferência, com mais de uma ao mesmo tempo – sem que uma saiba da outra. Sem inspiração para escrever a obra para a qual tinha sido contratado, Rufus começa a escrever um diário – e é exatamente este diário o conteúdo de “Diário de um fescenino”, romance de Rubem Fonseca (1925 - ) publicado originalmente em 2003 (Companhia das Letras, 253 páginas). (mais…)
Leia mais +
Rubem Fonseca, Knausgard
Literatura
Rubem Fonseca, Knausgard
28 de Fevereiro de 2017 at 19:47 0
Eu já tinha ficado bastante impressionado com “A Morte do Pai”, o primeiro dos livros da série autobiográfica “Minha Luta” (epa), do norueguês Karl Ove Knausgard. O segundo, “Um Outro Amor” (Companhia das Letras, 592 páginas), é ainda melhor: o início da relação com sua mulher, Linda, a vida com seus filhos, o início da carreira de escritor, a amizade com Geir e a mudança da Noruega para a Suécia são os principais temas do romance deste escritor espetacular, que consegue descrever um jantar em cinquenta páginas e mesmo assim manter o interesse para seus inúmeros (10% da população da Noruega já leu sua enorme série autobiográfica, para que se tenha uma ideia) leitores. O livro seguinte da série, “A Ilha da Infância” (Companhia das Letras, 436 páginas), que conta suas lembranças de infância e início da adolescência, por outro lado, mesmo longe de ser ruim, está distante da qualidade dos dois primeiros. Suas longas descrições de brincadeiras e passeios nas florestas próximas de onde vivia não deixam de ter seu interesse, mas os acontecimentos apresentados nos romances anteriores prendem muito mais a atenção. Além disso, o maior drama de “A Ilha da Infância”, a relação com o pai, sádico com os dois filhos, já tinha sido mais bem descrito em “A Morte do Pai”. De todo modo, Knausgard é sempre Knausgard, e a falta de descrição da descoberta do sexo – ele simplesmente descreve fatos anteriores e posteriores a este acontecimento sempre decisivo – é uma mostra da excelência (como se ainda precisássemos de alguma) do norueguês como escritor. (mais…)
Leia mais +