Pensamentos dispersos sobre música clássica de maneira geral, e sobre as cantatas 46-48 de Johann Sebastian Bach em particular
Música
Pensamentos dispersos sobre música clássica de maneira geral, e sobre as cantatas 46-48 de Johann Sebastian Bach em particular
8 de Maio de 2015 0
Percebi um certo menosprezo contra a música clássica em alguns textos que li recentemente em sites indies . Pode ser que eu seja meio ingênuo, mas penso que  isto é um erro. Nada contra quem não gosta de música erudita  (muito pelo contrário), mas é uma atitude lamentável tentar fechar as portas para possíveis futuros amantes e conhecedores do estilo - ainda mais quando se sabe que a quantidade de discos clássicos vendidos é muitas vezes menor que a de música pop. Para me contrapor e eu poderia simplesmente apelar, discorrendo sobre a eternidade e a complexidade da música erudita. Mas não. (mais…)
Leia mais +
The Kooks
Música
The Kooks
7 de Maio de 2015 0
Há mais ou menos uns dez anos deixei de acompanhar a “música indie” (seja lá o que isto signifique). Foi quando me manquei que eu era mesmo um metaleiro inveterado, e que o longo hiato de uns 20 anos entre os meus primeiros discos do AC/DC e os meus primeiros discos do Limp Bizkit foi apenas uma pausa nos ouvidos para evitar a surdez precoce (e que me serviu, afinal, para conhecer algumas coisas legais, como Smiths, Doors e Velvet Underground, mas essa é outra história). (mais…)
Leia mais +
Conexão Wright Santos-Dumont, de Salvador Nogueira
História
Conexão Wright Santos-Dumont, de Salvador Nogueira
6 de Maio de 2015 0
Quem inventou o avião? Foram os irmãos norte-americanos Orville e Wilbur Wright ou o brasileiríssimo Alberto Santos-Dumont? Esta polêmica, que parece não ter fim, tem uma importância muito grande... aqui no Brasil. Fora do país, ninguém tem a menor dúvida: os irmãos da cidade de Dayton, Ohio, fizeram o primeiro vôo com um aparelho mais pesado que o ar, o Flyer, no dia 17 de dezembro de 1903. (mais…)
Leia mais +
Literatura de almanaque
História
Literatura de almanaque
5 de Maio de 2015 0
Embora não seja exatamente correto chamá-los de "literatura de almanaque" (segundo uma das acepções do dicionário Houaiss, "de almanaque" significa superficial, imperfeito - falando-se de cultura, conhecimento, saber, humor etc.), os livros com listas de "100 maiores" lançados recentemente pela Difel aproximam-se bastante desta definição, com tudo de ruim (falta de profundidade) e de bom (prazer na leitura, curiosidade) que este tipo de literatura carrega consigo. (mais…)
Leia mais +
Buffy – A Caça-Vampiros e a Filosofia
Literatura
Buffy – A Caça-Vampiros e a Filosofia
4 de Maio de 2015 0
Existe algum interesse para um leitor – que nunca assistiu a nenhum episódio de uma determinada série televisiva – em ler um livro com vários artigos escritos por diferentes pesquisadores, que analisa esta série sob vários pontos de vista filosóficos? Por mais que a princípio a resposta mais óbvia seja não, no caso específico de Buffy – A Caça-Vampiros e a Filosofia, coletânea organizada por James B. South e William Irwin recentemente publicada pela editora Madras (320 páginas), a surpreendente resposta é sim. A leitura pode ser enriquecedora e interessantíssima, inclusive para quem não entende patavina da famosa série Buffy, da Fox. Pelo menos no meu caso funcionou: mesmo sem ter assistido a um minuto sequer do seriado, gostei muitíssimo do livro.  (mais…)
Leia mais +
Rápidos comentários sobre livros lidos – 2
Literatura
Rápidos comentários sobre livros lidos – 2
3 de Maio de 2015 0
Austerlitz, de W.G.Sebald (Companhia das Letras): Austerlitz é um sujeito de grande cultura geral, que fascina o personagem que é o narrador deste espetacular romance do alemão W.G.Sebald, falecido em 2001. Os encontros do narrador com Austerlitz acontecem meio aleatoriamente, em períodos muitos espaçados  e em diferentes países da Europa. Os comentários sobre arquitetura, arte e literatura de Austerlitz são profundos e interessantes. (mais…)
Leia mais +
“Auf den Tod einen Nachtigall”, de Franz Schubert
Música
“Auf den Tod einen Nachtigall”, de Franz Schubert
2 de Maio de 2015 0
A tecla repeat 1 raramente é pressionada em meus cd players. Não costumo ouvir uma mesma música repetidas vezes, não mesmo. Até Boxers, de Morrissey, a minha música preferida, reluto em ouvir mais de uma vez seguida. Mas existe um lied chamado “Auf den Tod einer Nachtigall” (Sobre a morte de um rouxinol), composta por Franz Schubert que simplesmente não canso de ouvir. Meu recorde é, sei lá, vinte vezes seguidas. Não pretendo ouvir outra música enquanto escrevo esta página do meu diário. Este lied tem uma história bem interessante: Schubert compôs uma série de lieder (plural alemão de lied) sobre poemas de Ludwig Hölty em 1815, mas interrompeu tudo para começar a compor sua Terceira Sinfonia. (mais…)
Leia mais +
“Me and the devil blues”
Literatura, Música
“Me and the devil blues”
1 de Maio de 2015 0
Early this mornin' / when you knocked upon my door / Early this mornin', ooh / when you knocked upon my door / And I said, "Hello, Satan," / I believe it's time to go." / Me and the Devil / was walkin' side by side / Me and the Devil, ooh / was walkin' side by side / And I'm goin' to beat my woman / until I get satisfied / She say you don't see why / that you will dog me 'round / spoken: Now, babe, you know you ain't doin' me right, don'cha / She say you don't see why, ooh / that you will dog me 'round / It must-a be that old evil spirit / so deep down in the ground / You may bury my body / down by the highway side / spoken: Baby, I don't care where you bury my body when I'm dead and gone / You may bury my body, ooh / down by the highway side / So my old evil spirit / can catch a Greyhound bus and ride
Tradução: (mais…)
Leia mais +