“Um amor como nenhum outro”, crítica n’A Escotilha
Literatura
“Um amor como nenhum outro”, crítica n’A Escotilha
11 de agosto de 2017 0
"Quem foi adolescente na década perdida, ou nos anos seguintes, pode cair na tentação de se identificar e, com certeza, vai se encontrar como peça no jogo criado por Fabricio Muller, um ardiloso experimento sobre os pequenos fracassos que nos fazem mais fortes."
Você pode ler a crítica de Jonatan Silva sobre meu livro de estreia clicando abaixo: http://www.aescotilha.com.br/literatura/ponto-virgula/um-amor-como-nenhum-outro-fabricio-muller/
Leia mais +
“Almanaque 02 Neurônio – Manual Para Moças em Fúria”, de Jô Hallack, Nina Lemos e Raq Affonso
Literatura
“Almanaque 02 Neurônio – Manual Para Moças em Fúria”, de Jô Hallack, Nina Lemos e Raq Affonso
31 de julho de 2017 0
O terceiro livro das jornalistas do grupo 02 Neurônio, Jô Hallack, Nina Lemos e Raq Affonso, "Almanaque 02 Neurônio – Manual Para Moças em Fúria" (Editora Record, 144 páginas) é autobiográfico e – forçando um pouco a barra – pode ser visto como um retrato de um certo grupo social. O livro é apresentado na forma de pequenos artigos (muitos anteriormente publicados no site delas), de três ou quatro páginas no máximo. O objetivo delas é fazer rir mas quando se lê o "Manual Para Moças em Fúria" de uma sentada o livro acaba funcionando como se fosse um grande blog – por mais bem escrito e divertido que ele realmente seja. (mais…)
Leia mais +
Vernon God Little, de DBC Pierre e Sujeito Oculto, de Manoel Carlos Karam
Literatura
Vernon God Little, de DBC Pierre e Sujeito Oculto, de Manoel Carlos Karam
28 de julho de 2017 0
É difícil não se lembrar da famosa a frase de William Shakespeare em Macbeth [“a vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria”] quando se lê Vernon God Little, do australiano – que viveu a maior parte da vida no México – DBC Pierre (Editora Record, 384 páginas). O romance, ganhador do Booker Prize de 2003, é contado em primeira pessoa pelo personagem principal, Vernon Gregory Little. Ele é o melhor amigo de Jesus, rapaz de origem hispânica que certo dia resolve atirar em vários colegas de escola e depois se suicidar. (mais…)
Leia mais +
Minhas músicas preferidas: 7. “Go Hard (La.La.La)”, de Kreayshawn
Música
Minhas músicas preferidas: 7. “Go Hard (La.La.La)”, de Kreayshawn
25 de julho de 2017 0
Para você ver como às vezes a pessoa pode ser preconceituosa sem se dar conta. Se uns anos atrás alguém me contasse que um dos meus raps preferidos seria cantado por uma mulher branca, eu provavelmente riria na cara da pessoa. A partir disto, dá para imaginar o meu espanto quando Leonardo Gama, sempre ele, me mostrou o clipe de “Go Hard (La.La.La)”, da rapper Kreayshawn – claro, branca. Eu assistia e assistia àquele clipe – lançado em 2012, acho que foi naquela época mesmo que o conheci – sem acreditar direito que um muro de preconceito imbecil contra mulheres (não gostei das poucas rappers que ouvi) E brancos (tinha Eminem, aprovado por negros, e Beastie Boys, mais indie que qualquer outra coisa, que não contavam) no rap estava sendo destruído inapelavelmente num clipe avassalador de três minutos e pouco. O vídeo de “Go Hard (La.La.La)” era totalmente diferente de tudo o que eu já tinha visto até então. Só Kreayshawn, morena, que canta, mas outra rapper, Lil Debbie, loira, fica o tempo fazendo palhaçadas ao lado dela. A principal influência do clipe são histórias em quadrinhos: a rapper e sua amiga aparecem em cenários coloridos, no meio de desenhos de olhos enormes, sorvetes e doces gigantes, pessoas fantasiadas de animais, grafites, páginas de jornal, automóveis de fantasia; elas mesmas são enquadradas fazendo parte de HQs coloridas e alucinadas. Neste cenário infanto-juvenil, Lil Debbie realmente parece fazer parte de um especial para crianças e adolescentes – mas Kreayshawn nem tanto, com sua postura ao mesmo tempo divertida e desafiadora, que só dá mais charme para a coisa toda. Nada disso seria memorável, claro, se não fosse o som: “Go Hard (La.La.La)” é pesada, divertida, grudenta, com um refrão matador – tem até umas batidas de rap e scratches típicos dos anos 80 lá pelo final da música. Um deslumbre. (mais…)
Leia mais +
Jorge Luis Borges: O Homem no Espelho do Livro, de James Woodall
Literatura
Jorge Luis Borges: O Homem no Espelho do Livro, de James Woodall
25 de julho de 2017 0
A Bertrand Brasil lançou recentemente a segunda edição (a primeira foi publicada há sete anos) de Jorge Luis Borges: O Homem no Espelho do Livro, de James Woodall (422 páginas), a primeira biografia escrita originalmente em inglês de um dos maiores escritores do século passado. (mais…)
Leia mais +
Uma ponte para Terebin, de Letícia Wierzchowski
Literatura
Uma ponte para Terebin, de Letícia Wierzchowski
24 de julho de 2017 0
Uma ponte para Terebin, de Letícia Wierzchowski (Record, 444 páginas), é uma biografia romanceada do polonês Jan Wierzchowski, avô da autora. A história atribulada da vida dele realmente vale um livro. (mais…)
Leia mais +
Duas noites no Teatro Guaíra
Literatura, Música
Duas noites no Teatro Guaíra
17 de julho de 2017 0
Estou escrevendo um romance que se passa em Curitiba nos anos 50-60. Li alguns livros sobre a época e alguma literatura daqueles tempos – principalmente Nelson Rodrigues e Dalton Trevisan. O curitibano é um de meus autores preferidos, mas fico meio dividido quanto a Nelson Rodrigues: li as crônicas de “A vida como ela é”, comecei, mas não consegui terminar, o folhetim “O meu destino é pecar” - que ele assinava com o pseudônimo de Suzana Flag - e algumas crônicas esportivas. Tudo me pareceu muito exagerado, sem sutileza, carregado nas tintas. (mais…)
Leia mais +