“Les Ombres Errantes”, de François Couperin
Música

“Les Ombres Errantes”, de François Couperin

18 de abril de 2018 0

A maioria dos discos para teclado solo do compositor francês François Couperin (1668-1733) que se encontra no serviço de streaming Spotify são executadas no cravo, instrumento para o qual suas músicas foram originariamente compostas. Um dos poucos tocados no piano é este “Les Ombres Errantes”, com o israelense Iddo Bar-Shaï. Tudo parecia, à primeira vista, perfeito no disco: a capa, que me lembrou um visual meio black metal, meio Joy Division; o título, “As Sombras Errantes”; o nome exótico do pianista; os títulos das peças, a cargo do próprio Couperin: “La Muse-Plantine” (“A Musa-Plantinha”), “Le Rossignol-em-Amour” (“O Rouxinol-em-Amor”), “Double du Rossignol” (“O Rouxinol Duplo”), “Les Petites Âges – L’Enfantine” (“As Pequenas Idades – O Infante”), “La Misterieuse” (“A Misteriosa), e por aí vai.

O texto da contracapa fala o seguinte:

“Grave, ligeira, majestosa, pitoresca, a obra para cravo de François Couperin, com seus indispensáveis ornamentos e detalhes picantes, nos propõe seguir todas os movimentos da alma do ‘maior poeta entre nossos cravistas’, segundo a expressão de Debussy. Interpretado ao piano, que traz consigo sua própria cor, estas peças de cravo, em seus climas diferentes, conservam tudo o que faz seu charme.”

As peças do disco são movimentos de composições maiores: estamos, portanto, diante de um “best of”. A sensibilidade do pianista, a delicadeza das composições, as belíssimas melodias, tudo faz com que este “Les Ombres Errantes” cumpra com louvor o que prometia na primeira impressão que eu tive. Belíssimo. Dê uma rápida escutada em “Le Dodo, ou L’Amour ou Berceu: 15ème ordre, 3ème Livre” ou em  “Les Rozeaux: 13ème ordre, 3ème livre”– duas das mais belas peças de Couperin – para você ter uma ideia do que estou falando.

E, você poderia perguntar, quando executadas no cravo, as peças de Couperin ganham ou perdem em relação ao piano? O bom de você poder ouvir as peças deste compositor extraordinário nos dois instrumentos é que não há a menor necessidade de escolha: o bom mesmo é escutar nas duas versões.

0

There are 0 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *