Música

Minhas músicas preferidas: 7. “Go Hard (La.La.La)”, de Kreayshawn
Música
Minhas músicas preferidas: 7. “Go Hard (La.La.La)”, de Kreayshawn
25 de julho de 2017 at 21:06 0
Para você ver como às vezes a pessoa pode ser preconceituosa sem se dar conta. Se uns anos atrás alguém me contasse que um dos meus raps preferidos seria cantado por uma mulher branca, eu provavelmente riria na cara da pessoa. A partir disto, dá para imaginar o meu espanto quando Leonardo Gama, sempre ele, me mostrou o clipe de “Go Hard (La.La.La)”, da rapper Kreayshawn – claro, branca. Eu assistia e assistia àquele clipe – lançado em 2012, acho que foi naquela época mesmo que o conheci – sem acreditar direito que um muro de preconceito imbecil contra mulheres (não gostei das poucas rappers que ouvi) E brancos (tinha Eminem, aprovado por negros, e Beastie Boys, mais indie que qualquer outra coisa, que não contavam) no rap estava sendo destruído inapelavelmente num clipe avassalador de três minutos e pouco. O vídeo de “Go Hard (La.La.La)” era totalmente diferente de tudo o que eu já tinha visto até então. Só Kreayshawn, morena, que canta, mas outra rapper, Lil Debbie, loira, fica o tempo fazendo palhaçadas ao lado dela. A principal influência do clipe são histórias em quadrinhos: a rapper e sua amiga aparecem em cenários coloridos, no meio de desenhos de olhos enormes, sorvetes e doces gigantes, pessoas fantasiadas de animais, grafites, páginas de jornal, automóveis de fantasia; elas mesmas são enquadradas fazendo parte de HQs coloridas e alucinadas. Neste cenário infanto-juvenil, Lil Debbie realmente parece fazer parte de um especial para crianças e adolescentes – mas Kreayshawn nem tanto, com sua postura ao mesmo tempo divertida e desafiadora, que só dá mais charme para a coisa toda. Nada disso seria memorável, claro, se não fosse o som: “Go Hard (La.La.La)” é pesada, divertida, grudenta, com um refrão matador – tem até umas batidas de rap e scratches típicos dos anos 80 lá pelo final da música. Um deslumbre. (mais…)
Leia mais +
Duas noites no Teatro Guaíra
Literatura, Música
Duas noites no Teatro Guaíra
17 de julho de 2017 at 22:30 0
Estou escrevendo um romance que se passa em Curitiba nos anos 50-60. Li alguns livros sobre a época e alguma literatura daqueles tempos – principalmente Nelson Rodrigues e Dalton Trevisan. O curitibano é um de meus autores preferidos, mas fico meio dividido quanto a Nelson Rodrigues: li as crônicas de “A vida como ela é”, comecei, mas não consegui terminar, o folhetim “O meu destino é pecar” - que ele assinava com o pseudônimo de Suzana Flag - e algumas crônicas esportivas. Tudo me pareceu muito exagerado, sem sutileza, carregado nas tintas. (mais…)
Leia mais +
Minhas músicas preferidas: 8. “Company”, de Justin Bieber
Música
Minhas músicas preferidas: 8. “Company”, de Justin Bieber
10 de julho de 2017 at 22:24 0
Foi com “Purpose”, disco de novembro de 2015, que Justin Bieber começou a querer ser tratado como um artista sério. Seu quarto álbum de estúdio é uma deliciosa mistura de faixas dançantes (“Get Used To It”, “Been You”), melancólicas (“Trust”, “Life Is Worth Living”, “Purpose”), delicadas (“What Do You Mean”, “Children”). O melhor são as mais viajantes, em que a rica produção musical parece querer levar o ouvinte para um lugar distante e bonito (“The Feeling”, “Where Are Ü Now”, com Jack Ü, “I’ll Show You”). Tudo isto com a belíssima e (aparentemente) sincera interpretação de Justin Bieber, cantor de recursos vocais limitados, mas de timbre único. A minha faixa preferida do disco é “Company”, em que Bieber pergunta para alguém (uma pretendente, possivelmente) se eles não podem fazer companhia um para o outro – uma letra singela, ombreada por um balanço sofisticado e hipnotizante. O clipe é uma maravilha: mostra o cantor em vários momentos de sua vida “na estrada” durante uma turnê: como em suas interpretações, ele parece sincero quando está sério, melancólico ou se divertindo com fãs e amigos (algum engraçadinho pode vir me perguntar se ele estava sendo sincero quando veio aqui para o Brasil uns anos atrás e não parou de aprontar). (mais…)
Leia mais +
Ariana Grande – Allianz Parque em São Paulo (1 de julho de 2017)
Música
Ariana Grande – Allianz Parque em São Paulo (1 de julho de 2017)
3 de julho de 2017 at 23:26 0
“A primeira vez que vi Ariana Grande num clipe foi em ‘Focus’, uma impressionante mistura de ingenuidade infantil e de sensualidade explosiva – ela me pareceu uma espécie de Marylin Monroe mais alegre. ‘Side To Side’, com Nicki Minaj, é melhor ainda. No vídeo, o jeito ao mesmo tempo inocente e provocativo de Ariana Grande serve como um ótimo contraponto para a autoconfiança divertida da rapper. O fato é que gostei tanto destas duas canções que acabei baixando todos os álbuns de Ariana Grande pelo Spotify, e foi muito agradável descobrir que a qualidade do restante de suas músicas basicamente não diferia da de “Focus” e de “Side To Side”. Ela consegue ser dramática e intensa (“Let Me Love You”, com Lil Wayne), dançante (“Greedy”), melancólica (“I Don’t Care”), romântica (“Moonlight”), forte (“Dangerous Woman”), e por aí vai. As músicas de Ariana Grande são sempre uma excelente companhia. Quando as escuto por muito tempo normalmente acho que já está na hora de mudar um pouco - mas sinto que suas canções me puxam, como se fossem um redemoinho para onde sou levado. Ouvir Ariana Grande me acalma. Obrigado, mocinha. ”
O texto acima – um pouco modificado – eu fiz para um livro de crônicas que estou escrevendo, chamado provisoriamente de “Memórias”: naquela ocasião ainda não estava marcado o show da cantora aqui no Brasil. Assim que anunciado, consegui meu ingresso para a sua apresentação em São Paulo e começou a longa expectativa. Entre a compra da entrada e o show da menina por aqui, sábado passado, ocorreu a tragédia de Manchester, onde um idiota se explodiu matando 22 pessoas e ferindo outras 50 depois de um show da cantora. Houve a possibilidade – real – de que Ariana Grande acabasse cancelando o restante da turnê, o que felizmente não aconteceu. Chegou o grande dia e lá estava eu, no estádio do Palmeiras em São Paulo. Não tinha como um fã como eu não gostar do show, mas mesmo assim me surpreendi com a sua espetacular presença de palco, com as belíssimas tomadas, literalmente cinematográficas, que surgiam no telão e com a voz da menina. Que voz, minha gente. Quem sabe faz ao vivo. (mais…)
Leia mais +
Minhas músicas preferidas: 9. “To Ü”, de Jack Ü
Música
Minhas músicas preferidas: 9. “To Ü”, de Jack Ü
15 de junho de 2017 at 15:48 0
Detroit é uma cidade decadente. Com a concorrência dos carros asiáticos, a indústria automobilística americana sofreu um golpe profundo, que acabou refletindo na cidade-sede da maioria das montadoras dos Estados Unidos. Uma quantidade enorme de casas foi abandonada, sem que novos moradores as ocupassem. Imagino que os DJs Skrillex e Diplo, que juntos formam o duo de música eletrônica Jack Ü, tenham pensado nisso quando colocaram, logo no início do clipe de “To Ü”, a legenda “September in Detroit”. Sim, estamos na sede da indústria automobilística americana, e a paisagem é desoladora. O clipe todo se passa numa rua onde o mato já tomou conta e, aparentemente, em suas proximidades: vemos casas e carros abandonados e muitos casais – heterossexuais e homossexuais dos dois sexos - em quartos onde a pobreza (para os padrões americanos, claro) é evidente. Em sua quase totalidade, os participantes do clipe são jovens e malvestidos, e o filtro utilizado na filmagem destaca a sensação de desolação. Os casais, quando não estão se beijando e se abraçando, olham para a câmera com um olhar tão triste quanto desafiador. (mais…)
Leia mais +
Bones: “GoodForNothing” e “Disgrace”
Música
Bones: “GoodForNothing” e “Disgrace”
9 de fevereiro de 2017 at 16:37 0
Os dois discos (mixtapes) mais recentes de Bones, “GoodForNothing” e “Disgrace”, têm muito em comum: o clima sombrio, os títulos depressivos, o curto número de faixas em termos do rapper (dez para “GoodForNothing”, doze para “Disgrace”). Por isto, para facilitar minha vida vou tratá-los aqui como um lançamento só. Tenho certeza de que Bones não se incomodaria. (mais…)
Leia mais +
Minhas músicas preferidas: 10. “Motherless Child Blues”, de Elvie Thomas
Música
Minhas músicas preferidas: 10. “Motherless Child Blues”, de Elvie Thomas
23 de janeiro de 2017 at 21:25 0
A primeira vez que ouvi falar em Elvie Thomas foi numa coluna do antigo blog de André Barcinski no R7 (agora seu blog está no UOL). O artigo trata Elvie Thomas como “a maior lenda do blues” e apresenta um link para um lindo vídeo da música, a cargo do New York Times. Eu achei estranho, porque nunca tinha ouvido falar nela. (mais…)
Leia mais +
Meus discos preferidos: 1. “Your Arsenal” – Morrissey
Música
Meus discos preferidos: 1. “Your Arsenal” – Morrissey
23 de dezembro de 2016 at 00:01 0
A culpa é da Revista Bizz. Nos anos 80-início dos anos 90 o amante brasileiro do rock que hoje é chamado de indie (entre os quais eu me incluía) e que não tinha dinheiro ou inglês suficientes para ler a New Musical Express ou a Spin não tinha outra fonte para saber das novidades que não fosse a Bizz mesmo. A revista amava The Smiths e eu ia na cola, mesmo sem entender patavina de inglês. Gostava do vocal e das melodias, mas estava longe de ser a minha banda preferida. Quando comecei a entender inglês – obrigado pelos estudos de mestrado – comecei a ler as letras de Morrissey e comecei a entender o porquê da adoração toda. Nesta época os Smiths já tinham acabado e a carreira solo estava começando a derrapar: depois de um início promissor com “Viva Hate” vieram dois discos malvistos pela crítica, “Bona Drag” e “Kill Uncle” (este último, hoje em dia desprezado pelo próprio cantor), e parecia que Morrissey não iria mais se reerguer. Só que não: o disco seguinte, “Your Arsenal”, foi incensado pela maior parte da crítica da Bizz (se bem que fiquei furioso com os dois zero que o disco levou na seção “Bolsa de Discos”, mas enfim) e parecia que o cantor inglês tinha reencontrado seu lugar. (mais…)
Leia mais +