Literatura

“Diário de um Fescenino”, de Rubem Fonseca
Literatura
“Diário de um Fescenino”, de Rubem Fonseca
13 de junho de 2017 at 21:44 0
Rufus é um escritor que mora sozinho, que não gosta da companhia de pessoas do mesmo sexo e que, por outro lado, ama ter relações com pessoas do sexo oposto. De preferência, com mais de uma ao mesmo tempo – sem que uma saiba da outra. Sem inspiração para escrever a obra para a qual tinha sido contratado, Rufus começa a escrever um diário – e é exatamente este diário o conteúdo de “Diário de um fescenino”, romance de Rubem Fonseca (1925 - ) publicado originalmente em 2003 (Companhia das Letras, 253 páginas). (mais…)
Leia mais +
“A Cabeça de Um Homem”, de Georges Simenon
Literatura
“A Cabeça de Um Homem”, de Georges Simenon
12 de maio de 2017 at 23:45 0
Escrevi há quase um ano que “a cada tantos meses eu começo a pensar que ‘já tem muito tempo’ que não leio nenhum livro de Georges Simenon”. E que “quando a ‘coceira’ começa a incomodar, leio o mais rapidamente possível um de seus curtos romances, fico quase que inevitavelmente satisfeito e espero a próxima ‘coceira’ chegar – para mais uma nova alegria, claro. ” (mais…)
Leia mais +
“Os Livros da Selva”, de Rudyard Kipling
Literatura
“Os Livros da Selva”, de Rudyard Kipling
9 de maio de 2017 at 23:43 0
Eu não assisti ao desenho “Mowgli – O Menino Lobo”, de Walt Disney, o que acabou sendo bom na leitura dos contos de “Os Livros da Selva” (Penguin – Companhia das Letras, 560 páginas), de Rudyard Kipling (1865-1936), autor agraciado com o Prêmio Nobel de 1907. Explico: enquanto eu lia as estranhas histórias do Menino Lobo, cheias de violência e jogos de poder, eu ficava me perguntando: “mas como é que Walt Disney transformou este negócio aqui em uma história para crianças? ”. (mais…)
Leia mais +
“Mrs. Dalloway”, de Virginia Woolf
Literatura
“Mrs. Dalloway”, de Virginia Woolf
8 de maio de 2017 at 23:47 0
Li alguns livros de Virginia Woolf (1882-1941) na adolescência: lembro que gostei muito de “Passeio Ao Farol”, achei “Orlando” muito estranho, entendi muito pouco de “As Ondas” e basicamente nada de “Mrs. Dalloway” (1925) – e é este último que reli recentemente (Coleção Grandes Nomes da Literatura, da Folha de São Paulo, 188 páginas). Obviamente, me senti lendo o romance na primeira vez. (mais…)
Leia mais +
“A Obscena Senhora D”, de Hilda Hilst
Literatura
“A Obscena Senhora D”, de Hilda Hilst
7 de maio de 2017 at 23:41 0
Quando conversava com o crítico teatral Anatol Rosenfeld por que seus livros eram um sucesso de crítica, mas um fracasso de público, Hilda Hilst (1930-2004) comentava frequentemente: "por que acham que escrevo para eruditos? Eu falo tão claro. Falo até sobre a bunda”. "Tua bunda é terrivelmente intelectual, Hilda", respondia Rosenfeld. Esta história, contada na Folha de São Paulo de 20 de abril de 2013, resume bem a impressão inicial e o resultado da leitura de um romance como “A Obscena Senhora D” (Coleção Grandes Nomes da Literatura, da Folha de São Paulo, 54 páginas). (mais…)
Leia mais +
“O Fim do Homem Soviético”, de Svetlana Aleksiévitch
Literatura
“O Fim do Homem Soviético”, de Svetlana Aleksiévitch
2 de maio de 2017 at 22:43 0
Como o próprio título indica, “O Fim do Homem Soviético”, de Svetlana Aleksiévitch, vencedora do Prêmio Nobel de 2015 (Companhia das Letras), fala de um período de transição: a passagem da ex-URSS do comunismo para o capitalismo. Mas o livro não é uma obra de história convencional: em suas quase 600 páginas a autora dá voz aos verdadeiros atores deste período para lá de conturbado, as pessoas comuns. Svetlana Aleksiévitch basicamente transcreve trechos de centenas de entrevistas que fez com habitantes de toda a antiga União Soviética. E o resultado é de tirar o fôlego, como se o leitor mergulhasse em uma época de sangue, sofrimento, dor e esperança – esta última quase sempre frustrada. A autora dá voz a saudosistas da época do stalinismo; a entusiastas dos novos tempos; a tantos outros que tiveram seus sonhos de uma vida melhor destruídos com a crise e o capitalismo selvagem que se abateram sobre a região com o fim do comunismo. Depoimentos falam da luta dos democratas contra o frustrado golpe de linha soviética em 1991, dos horrores da Segunda Guerra Mundial, das perseguições étnicas contra judeus, tchetchenos, azerbaijanos e russos. Svetlana Aleksiévitch nos leva “para dentro” da vida familiar russa: os homens bêbados e violentos contra as mulheres; as intermináveis conversas na cozinha; as posições políticas, religiosas e comportamentais quase sempre divergentes; o racismo entre povos da ex-URSS, que explodiu com o fim do comunismo. (mais…)
Leia mais +
“Os Enamoramentos”, de Javier Marías
Literatura
“Os Enamoramentos”, de Javier Marías
23 de abril de 2017 at 22:55 0
A “Jovem Prudente” não é exatamente uma garota: é uma moça de nome María, que trabalha como editora e odeia escritores – todos vaidosos, segundo ela. O apelido foi dado pelo “Casal Perfeito” – um casal mais velho que é admirado diariamente pela “Jovem Prudente” num café em Madri. O casal e a moça apenas se cumprimentam, mas nunca conversam nem sabem os nomes uns dos outros. (mais…)
Leia mais +
“Os Frutos da Terra”, de André Gide
Literatura
“Os Frutos da Terra”, de André Gide
9 de abril de 2017 at 23:17 0
Alguns livros influenciaram profundamente minha maneira de ver o mundo. A Bíblia. O Livro da Vida de Santa Teresa d’Ávila. O Homem Eterno, de G. K. Chesterton. A Interpretação dos Sonhos, de Sigmund Freud. Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust. A Lanterna na Popa, de Roberto Campos. O primeiro destes livros foi “Os Frutos da Terra”, de André Gide. Eu li há tanto tempo que não lembro direito os detalhes do meu amor por ele. Havia algo como deixar-se levar pela vida, amar a natureza, não ter preocupações com posses ou dinheiro. De todo modo, eu lembro bem que carregava o livro de cima para baixo, e lia trechos dele para os coitados que estivessem por ali. Reli há pouco o livro, agora em francês. “Les Nourritures Terrestres” é uma obra difícil de classificar: tem trechos de poesias em prosa, trechos de poesias rimadas, pequenas histórias, filosofia, tudo de maneira aparentemente desordenada – não dá para imaginar o que a próxima página nos reserva. (mais…)
Leia mais +