Fabricio Muller

“Uma Temporada no Escuro”, de Karl Ove Knausgard
Literatura
“Uma Temporada no Escuro”, de Karl Ove Knausgard
19 de março de 2017 at 23:30 0
Enfim terminei de ler o quarto livro da série “Minha Luta”, do norueguês Karl Ove Knausgard, chamado “Uma Temporada no Escuro”, o último lançado no Brasil (Companhia das Letras, 496 páginas). Agora começa a agonia para esperar a tradução dos dois próximos, “Min kamp. Femte bok” e “Min kamp. Sjette bok” (nomes pegos na Wikipedia: segundo o Google Tradutor, simplesmente "Minha Luta. Quinto livro" e "Minha Luta. Sexto livro"). (mais…)
Leia mais +
Rubem Fonseca, Knausgard
Literatura
Rubem Fonseca, Knausgard
28 de fevereiro de 2017 at 19:47 0
Eu já tinha ficado bastante impressionado com “A Morte do Pai”, o primeiro dos livros da série autobiográfica “Minha Luta” (epa), do norueguês Karl Ove Knausgard. O segundo, “Um Outro Amor” (Companhia das Letras, 592 páginas), é ainda melhor: o início da relação com sua mulher, Linda, a vida com seus filhos, o início da carreira de escritor, a amizade com Geir e a mudança da Noruega para a Suécia são os principais temas do romance deste escritor espetacular, que consegue descrever um jantar em cinquenta páginas e mesmo assim manter o interesse para seus inúmeros (10% da população da Noruega já leu sua enorme série autobiográfica, para que se tenha uma ideia) leitores. O livro seguinte da série, “A Ilha da Infância” (Companhia das Letras, 436 páginas), que conta suas lembranças de infância e início da adolescência, por outro lado, mesmo longe de ser ruim, está distante da qualidade dos dois primeiros. Suas longas descrições de brincadeiras e passeios nas florestas próximas de onde vivia não deixam de ter seu interesse, mas os acontecimentos apresentados nos romances anteriores prendem muito mais a atenção. Além disso, o maior drama de “A Ilha da Infância”, a relação com o pai, sádico com os dois filhos, já tinha sido mais bem descrito em “A Morte do Pai”. De todo modo, Knausgard é sempre Knausgard, e a falta de descrição da descoberta do sexo – ele simplesmente descreve fatos anteriores e posteriores a este acontecimento sempre decisivo – é uma mostra da excelência (como se ainda precisássemos de alguma) do norueguês como escritor. (mais…)
Leia mais +
Bones: “GoodForNothing” e “Disgrace”
Música
Bones: “GoodForNothing” e “Disgrace”
9 de fevereiro de 2017 at 16:37 0
Os dois discos (mixtapes) mais recentes de Bones, “GoodForNothing” e “Disgrace”, têm muito em comum: o clima sombrio, os títulos depressivos, o curto número de faixas em termos do rapper (dez para “GoodForNothing”, doze para “Disgrace”). Por isto, para facilitar minha vida vou tratá-los aqui como um lançamento só. Tenho certeza de que Bones não se incomodaria. (mais…)
Leia mais +
Minhas músicas preferidas: 10. “Motherless Child Blues”, de Elvie Thomas
Música
Minhas músicas preferidas: 10. “Motherless Child Blues”, de Elvie Thomas
23 de janeiro de 2017 at 21:25 0
A primeira vez que ouvi falar em Elvie Thomas foi numa coluna do antigo blog de André Barcinski no R7 (agora seu blog está no UOL). O artigo trata Elvie Thomas como “a maior lenda do blues” e apresenta um link para um lindo vídeo da música, a cargo do New York Times. Eu achei estranho, porque nunca tinha ouvido falar nela. (mais…)
Leia mais +
“História de Uma Alma – Manuscritos Autobiográficos”, de Santa Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face
Religião
“História de Uma Alma – Manuscritos Autobiográficos”, de Santa Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face
22 de janeiro de 2017 at 22:38 0
Eu gostava tanto de Santa Teresa d’Ávila que, da primeira vez que li “História de uma Alma - Manuscritos Autobiográficos”, da santa francesa Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face (1873-1897), mais conhecida entre nós por Santa Teresinha do Menino de Jesus, me senti totalmente frustrado. O que Santa Teresa d’Ávila tinha de exuberante, imponente, profunda e complexa, Santa Teresinha, com seu Pequeno Caminho, parecia apenas sem graça. Mais tarde, li que Sérgio Buarque de Holanda achava que o sucesso dela por aqui se devia à falta de profundidade religiosa do povo brasileiro. Concordei de cara. Quando o Papa João Paulo II a declarou Doutora da Igreja, o jornalista italiano que estava comentando a cerimônia de investidura para a RAI disse que esta era uma provocação do Papa. Concordei também. Mas Deus sabe como eu estava sendo injusto. (mais…)
Leia mais +
“La Bibliothèque de Marcel Proust”, de Anka Muhlstein
Literatura
“La Bibliothèque de Marcel Proust”, de Anka Muhlstein
17 de janeiro de 2017 at 00:08 0
É bacana saber que um dos seus defeitos era compartilhado por um gênio. Em “La Bibliothèque de Marcel Proust” (“A Biblioteca de Marcel Proust”), de Anka Muhlstein (Odile Jacob, 180 páginas), a autora conta que o grande escritor francês era tão bagunçado com seus livros que raramente conseguia encontrá-los quando queria. Às vezes emprestava um para um amigo e pedia que ele o guardasse, já que seria mais fácil reencontrá-lo na casa dele do que na sua própria. Bem, eu também tenho dificuldade em encontrar meus livros... (mais…)
Leia mais +
“Uivo – Kaddish e Outros Poemas”, de Allen Ginsberg
Literatura
“Uivo – Kaddish e Outros Poemas”, de Allen Ginsberg
16 de janeiro de 2017 at 21:30 0
O início do poema “Uivo”, do poeta beat Allen Ginsberg (1926-1997) é espetacular:
“Eu vi os expoentes da minha geração destruídos pela loucura, morrendo de fome, histéricos, nus, / arrastando-se pelas ruas do bairro negro de madrugada em busca de uma dose violenta de qualquer coisa, / hipsters com cabeça de anjo ansiando pelo antigo contato celestial com o dínamo estrelado na maquinaria da noite, / que pobres, esfarrapados e olheiras fundas, viajaram fumando sentados na sobrenatural escuridão dos miseráveis apartamentos sem água quente, flutuando sobre os tetos das cidades contemplando jazz, / que desnudaram seus cérebros sob o Elevado e viram anjos maometanos cambaleando iluminados nos telhados das casas de cômodos, (...)”
(mais…)
Leia mais +
“Manson”, de Jeff Guinn
História
“Manson”, de Jeff Guinn
12 de janeiro de 2017 at 21:45 0
Segundo Jeff Guinn, o autor da brilhante biografia “Manson” (Darkside, 520 páginas), a persistência macabra da fama do assassino Charles Manson se deve ao fato de que ele e boa parte de seus seguidores ainda estão vivos, aparecendo na internet, presos e lutando por seus direitos à condicional. Do mesmo modo, o jornalista André Barcinski, no seu extinto blog no R7 (agora ele está no UOL) nunca entendeu o fascínio que este criminoso medíocre exerce sobre as pessoas. Discordo dos dois. (mais…)
Leia mais +